Categorias de Segurança Pública integrantes da NCST engrossam manifestação contra a ‘reforma’ da Previdência

Data de publicação: 23 Maio 2019


Categorias policiais integrantes da NCST/PB participaram do ato público contra a 'reforma' da Previdência


* Conteúdo atualizado dia 23/05, às 11h02


Categorias de Segurança Pública integrantes da malha orgânica da Nova central Sindical de Trabalhadores – NCST engrossaram manifestação contra a PEC 06/2019, da chamada “reforma” da Previdência encaminhada pelo governo ao Congresso Nacional. O ato público, ocorrido nesta terça-feira (21/05), reuniu mais de 4000 manifestantes das categorias de Segurança. Mais de 20 entidades foram representadas no protesto, entre policiais civis, federais, rodoviários, agentes penitenciários e socioeducativos.


Assista ao vídeo do vice-presidente da NCST e presidnete da Fenaspen , Fernando Ferreira Anunciação:

 


 
 
 
A manifestação, organizada pela União dos Policiais do Brasil (UPB), Associação Nacional dos Delegados de Polícia Judiciária (ADPJ) e entidades filiadas, aconteceu um dia após o secretário especial de Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho, afirmar que não será apresentado por parlamentares um texto alternativo à proposta da Reforma da Previdência.


Assista ao vídeo do presidente da NCST/PB, Antonio Erivaldo:




 
 

As categorias pedem ainda a manutenção da atividade de risco policial prevista na Constituição Federal, integralidade e paridade para todos os policiais, diferenciação entre homens e mulheres na idade e tempo de contribuição e pensão integral por morte em serviço ou em razão do serviço.
 




 
No projeto do governo, policiais civis, federais e agentes penitenciários e socioeducativos precisam ter 55 anos para se aposentar. O diretor da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Judiciária (ADPJ), Thiago Costa, disse que a categoria quer regras de transição específicas.
 

Veja o que muda para os policiais
 

Idade mínima 

Como é: Pela regra atual, não há idade mínima para que os policiais civis e federais possam se aposentar. Os agentes penitenciários e socioeducativos não possuem regra especial.
 
Como pode ficar: Pela proposta do governo, para conseguir se aposentar, policiais civis, federais e agentes penitenciários precisarão ter, no mínimo, 55 anos - tanto homens quanto mulheres. O número é menor que a idade mínima do regime geral, com 62 anos para mulheres e 65 para homens.

 
Tempo de contribuição 

Como é: 30 anos para homens, com 20 de exercício, e 25 para mulheres, com 15 de exercício.
 
Como pode ficar: Para policiais civis e federais, o tempo mínimo seria de 25 anos para mulheres (desde que tenham 15 anos de tempo de exercício) e 30 para homens (com 20 anos de tempo de exercício). Já para agentes, o tempo mínimo é de 20 anos, tanto homens quanto mulheres.
 

O tempo de exercício, no entanto, será progressivo, até chegar a 20 anos para mulheres e 25 para homens.
 




 
 


Imprensa NCST com informações do Portal G1

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top