AL: Instituições discutem prevenção e combate a transtornos mentais na Saúde

Data de publicação: 23 Maio 2019


Sobrecarga de trabalho é um dos fatores que mais gera doenças nos profissionais da Saúde, segundo Mário Jorge, presidente do Sateal



O Ministério Público do Trabalho (MPT), o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) e a Superintendência Regional do Trabalho (SRTb/AL) irão notificar os gestores de serviços de Saúde de Alagoas a apresentar, no próximo dia 16, informações de afastamentos causados no setor por doenças e transtornos mentais. A ação conjunta faz parte de um procedimento promocional instaurado pelo MPT, em conjunto com o TRT e SRTb, para garantir condições de trabalho adequadas em clínicas de Saúde e hospitais públicos e privados no estado.

Em audiência realizada na última quinta-feira, 9, na sede do MPT, instituições e sindicatos discutiram a necessidade de identificar as doenças mentais em profissionais da Saúde e os motivos que vem causando os afastamentos do trabalho. “Casos de estresse, síndrome do pânico e até de suicídio são assuntos frequentes nos noticiários e, em muitos casos, o trabalho pode ser o estimulador do adoecimento mental. Por isso, queremos ouvir os atores sociais envolvidos e buscar soluções diante deste tema de grande preocupação”, afirmou o procurador do MPT Rodrigo Alencar, titular da Coordenadoria de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho (Codemat).

Para a juíza do TRT Bianca Calaça, gestora regional do programa Trabalho Seguro, não basta apenas punir os responsáveis, mas atuar na cultura da prevenção. “A premissa é que o judiciário não deve ficar apenas no papel de punir o empregador que contribua com o adoecimento, mas que atue na prevenção. Também queremos trabalhar o combate à violência laboral de forma ampla, já que esses empregados estão sendo vítimas de violência psíquica”, explicou.

Também presente na audiência, a juíza Carolina Bertrand afirmou que é preciso encontrar os nódulos que podem ser removidos diante da situação que vitima os trabalhadores. Já o auditor fiscal do Trabalho Elton Machado, chefe do setor de fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho (SRTb/AL), ressaltou a importância do trabalho conjunto das instituições e sindicatos envolvidos diante da relevância do tema.

Na próxima audiência marcada para o próximo dia 16 de maio, o MPT aguarda que os responsáveis pelos estabelecimentos de Saúde apresentem a relação dos casos de adoecimento e os motivos das doenças. Caso não apresentem, os hospitais e clínicas estarão sujeitas à fiscalização das instituições.


Sobrecarga de trabalho


A jornada excessiva de trabalho é uma das principais causas de transtornos mentais em profissionais da Saúde no estado, segundo afirmaram o Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem (Sateal) e o Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde (Seesse). O presidente do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem no Estado de Alagoas - Sateal, Mário Jorge Filho, apontou que um dimensionamento adequado nos quadros de auxiliares e técnicos garante boas condições de trabalho no setor. Profissionais reduzidos, excesso de jornada e o consequente serviço ineficiente agravam a problema das doenças.

De acordo com Chico Lima, do Seesse, os casos de assédio moral e sexual são recorrentes no setor e também levam o trabalhador ao adoecimento. “Quando se combate assédio, se combate atestados, afastamentos e doenças”, disse Chico Lima, que ainda apontou que o trabalho terceirizado é responsável por muitos casos de doenças.


Fiscalizações detectaram causas, diz Cerest


Fiscalizações promovidas pelo Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest/Maceió) em hospitais detectaram fatores que desencadearam o adoecimento dos profissionais. Pressões psicológicas, jornada excessiva de trabalho, demanda alta e poucos profissionais são os principais motivos identificados, explicou Paulo César Fernandes, engenheiro de Segurança do Trabalho do Cerest.

O profissional defendeu que, tanto no serviço público como no privado, é preciso materializar as estatísticas a fim de que haja um combate efetivo sobre a temática.


Afastamentos


Em seis anos - de 2012 a 2018 -, Alagoas registrou 801 afastamentos do trabalho por doenças mentais e comportamentais, e os casos de atendimento hospitalar estão na lista dos afastamentos. No mesmo período, em todo o Brasil, foram registrados 74.688 afastamentos pelas mesmas causas, segundo dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho.

Já no ano de 2017, em todo o país, segundo dados do Anuário Estatístico da Previdência Social, cerca de 13 mil trabalhadores vítimas de transtornos mentais e comportamentais foram aposentados por invalidez; cerca de 169 mil auxílios-doença foram concedidos no mesmo ano.




Fonte:  Sindicato dos Auxiliares e Técnicos de Enfermagem no Estado de Alagoas - Sateal, entidade filiada à NCST
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top