Metade das universidades federais terão cortes acima de 30% no orçamento

Data de publicação: 21 Maio 2019


Em algumas, os bloqueios ultrapassam 50% nas verbas discricionárias, que inclui pagamento de água, luz e internet



Corte nas verbas da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) será de 54% / Universidade Federal do Sul da Bahia



por Igor Carvalho
edição de Aline Carrijo




Divulgado na última quinta-feira (16), o Painel de Cortes, organizado pela da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais (Andifes), informa o valor que o Ministério da Educação (MEC) irá bloquear no orçamento das universidades federais. De acordo com o levantamento, 34 das 68 instituições terão cortes acima dos 30% nas verbas para pagamento de despesas não obrigatórias.

A instituição que terá maior impacto em seu orçamento é a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), com o bloqueio de 54% de seu orçamento discricionário, ou seja, toda dívida não obrigatória, como pagamento de terceirizados, compra de equipamentos, água, luz, telefone e internet.

Entre as instituições que mais terão cortes no orçamento, estão ainda a Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (52%), a Universidade Federal da Grande Dourados (48%), no Mato Grosso do Sul, Universidade Federal do Cariri (47%), no Ceará, e Universidade Federal de Lavras (44%), em Minas Gerais.

Entre as 34 instituições de ensino que terão cortes acima de 30%, o Nordeste é quem mais terá será impactado, com 13 universidades ao todo. Seguida do Norte (8), Sudeste (6), Centro-Oeste (4) e Sul (3). A média nacional de bloqueios orçamentários ficou em 29,74%.

A universidade que terá o menor corte no orçamento discricionário será a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), com 15,82% de redução no orçamento.


Os cortes


Desde o último dia 30 de abril, quando o ministro da Educação Abraham Weintraub declarou que cortaria 30% do orçamento das universidades federais que provocarem “balbúrdia” em seus campi – citando a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a Universidade Federal Fluminense (UFF) –, o tema da educação superior ocupou lugar de destaque nas discussões políticas no país.

No dia seguinte ao anúncio da sanção a essas universidades, o secretário de Educação Superior da pasta, Arnaldo Barbosa de Lima Junior, afirmou que o corte de 30% se estenderia “de forma isonômica para todas as universidades.”

ministro usou chocolates, em transmissão ao vivo feita via Facebook no perfil do presidente Jair Bolsonaro, para explicar que o governo cortará “apenas 3,5% dos valores destinados às universidades federais”.  No entanto, para chegar a esse valor, o ministro inclui pagamentos obrigatórios, que, inclusive, não dependem do MEC. 


Paralisação e protestos


Na última quarta-feira (15), um milhão de pessoas foram às ruas protestar contra os cortes na Educação. O protesto foi organizado por estudantes, professores e trabalhadores de universidades federais e escolas de diversos níveis. O impacto das manifestações foi tamanho que as entidades estudantis e de docentes decidiram convocar uma nova paralisação para o próximo dia 30 de maio.




Fonte: Brasil de Fato 
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top