Estudantes e professores protestam em diversos estados contra cortes na Educação

Data de publicação: 15 Maio 2019


Dia Nacional de Greve na Educação começou com fechamento de cruzamento em Fortaleza. Cidades de São Paulo, Goiás, Paraná, Minas e Amazonas também registram dezenas de protestos



Estudantes da UFBA e manifestantes de diversas escolas, em Salvador


Um dos primeiros atos do Dia Nacional de Greve na Educação foi realizado pelos estudantes da Universidade Federal do Ceará (UFC) nesta quarta-feira (15). Por volta das 7h, eles ocuparam com cadeiras o cruzamento da Avenida da Universidade com a Avenida 13 de Maio, no bairro do Benfica, próximo à reitoria da UFC.

Com faixas e cartazes, os manifestantes reagem aos cortes de 30% no orçamento das universidades públicas e dos institutos federais anunciados pelo governo Bolsonaro. "Ou param com os cortes, ou paramos o Brasil", gritavam. Logo em seguida, liberaram as vias.




Mais tarde, professores e trabalhadores da educação uniram-se aos trabalhadores na Praça da Bandeira e saíram em marcha pelo centro da capital cearense. "Doutor, eu não me engano, o Bolsonaro é miliciano", cantavam, em ritmo de marchinha de carnaval. Grupos culturais da cidade, como o Maracutu Solar, também participam das manifestações. Segundo os organizadores, cerca de 100 mil pessoas participam da manifestação.


São Paulo


Estudantes da Universidade de São Paulo (USP) promoveram um "trancaço" na Avenida Francisco Morato, importante corredor da zona oeste próximo ao campus da Cidade Universitária, na capital paulista. Outro grupo realizou uma marcha pela Rua da Consolação, no centro. "Barricada, greve geral, ação direta que derruba o capital", era o grito entoado pelos alunos.





No interior do estado estão sendo articulados protestos. Em Sorocaba, estudantes e profissionais da educação, mobilizados desde às 8h, fazem ato unificado com comunidades da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal de São Paulo Carlos (Ufscar) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia São Paulo.



Ato em Sorocaba conta com mobilização dos estudantes das universidades e institutos federais da região


Com cartazes e faixas, alunos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)  estão indo às ruas do município para protestar contra os cortes da educação. Mais cedo, estudantes bloquearam uma das faixas da Avenida Guilherme Campos, que dá acesso aos campi da Unicamp e da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Campinas).

Alunos da Universidade Estadual Paulista (Unesp) também protestam nesta manhã pelos campi em Jaboticabal, na região metropolitana de Ribeirão Preto, e em Presidente Prudente, entoando gritos como “Eu to na rua, não paro não, essa balbúrdia vai salvar a educação”.

Também ocorre protesto em São José dos Campos, onde entidades sindicais, junto com professores e estudantes se concentraram por volta das 10h30 na Praça Afonso Pena, na região central, e saíram em passeata pelo centro do município.



Mobilizados, alunos, professores e entidades sindicais marcham em São José dos Campos, interior de São Paulo


O conselho de reitores das universidades paulistas divulgaram nota em apoio ao movimento em defesa da educação.




Estudantes da UFG em Catalão


Goiás


Estudantes da Universidade Federal de Goiás (UFG) também realizaram manifestações na cidade de Catalão. Em Anápolis, alunos e trabalhadores do Instituto Federal de Goiás (IFG) protestaram contra os cortes na Educação, segundo informações da Rádio Trabalhador.


Paraná


Desde o começo desta quarta, milhares de estudantes e professores fecharam dois campi da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba e Jandaia do Sul. Essa é a segunda mobilização que ocorre na capital paranaense desde que o corte foi anunciando quando, no último dia 8, a comunidade acadêmica repudiou a posição do MEC.



Estudantes protestam em frente ao campus da UFPR


Minas Gerais




Praça da Estação, Belo Horizonte


Na capital, Belo Horizonte, alunos e professores já lotam a Praça da Estação. No interior de Minas, milhares de estudantes da Universidade Federal de Viçosa (UFV) caminharam até o campus da universidade, mesmo debaixo de chuva, para alertar a população contra os prejuízos dos cortes na Educação. Governador Valadares também registrou protestos: "tira a mão do meu Instituto Federal", dizem os alunos.



Ato em frente à Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais


Distrito Federal


Cerca de 50 mil pessoas, estimados pelo Sindicato dos Professores (Sinpro-DF), fazem ato na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Estudantes da Universidade de Brasília (UNB), professores e servidores empunham cartazes e faixas contra os cortes na educação anunciados pelo governo federal. 




Ato em defesa da educação leva à Esplanada dos Ministérios, em Brasília, cerca de 50 mil pessoas


Amazonas 


Em Manaus, centenas de pessoas manifestam-se em defesa da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). O ato teve início às 7h e segue com caminhada dos estudantes e professores pela cidade. Às 15h, está previsto também um protesto contra os cortes na educação na Praça do Congresso.


Bahia


Em Salvador, estudantes da Universidade Federal da Bahia também se manifestam contra os cortes na educação e citam, em especial, os ataques do presidente Bolsonaro às áreas de sociologia e filosofia.




Estudantes da UFBA e manifestantes de diversas escolas, em Salvador


Piauí


Em Teresina, alunos, professores e representantes de movimentos sociais percorrerem, desde às 08h, as ruas do centro da capital piauiense em defesa da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e do Instituto Federal do Piauí (IFPI). O ato teve início em frente ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e caminha até a Avenida Frei Serafim.


Paraíba 


Em João Pessoa, na Paraíba, mais de 10 mil pessoas participam das participam das mobilizações. Eles saíram em marcha até o Ponto Cem Reis.




Protesto reúne 10 mil na Paraíba


Pará


Em Belém, no Pará, manifestantes que se concentraram na Praça da República, caminham pelas ruas da capital. "Educação não é mercadoria", diz cartaz de um dos 16 mil que participam do protesto.



Centro de Belém





Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top