Trabalhadores não vão aceitar que continuem a destruir seus direitos

Data de publicação: 9 Maio 2019


Quatro meses de governo Bolsonaro já se passaram. Boa parte desse tempo, o presidente usou para fazer manifestações absurdas nas redes sociais. Até agora, sua grande “realização”, foi passar pela primeira etapa da reforma da Previdência, aprovada na Comissão e Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados.



Trabalhadores não vão aceitar que continuem a destruir seus direitos



por Fabio Gaspar



Antes da eleição, Bolsonaro prometeu ao sistema financeiro fazer a "reforma" da Previdência e nomear Paulo Guedes para o ministério da Economia. Em troca recebeu deles aval para sua campanha. Com esses patrocinadores, a reforma da Previdência é mais um ataque que visa retirar e destruir direitos dos trabalhadores. Dessa maneira, é uma continuação da reforma trabalhista do governo Temer, que eliminou boa parte dos direitos inscritos na CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

A reforma de Temer tramitou no Congresso Nacional sob a pressão dos bancos e da mídia empresarial, com a promessa de criar empregos e proporcionar a retomada do desenvolvimento do Brasil. Aprovada em abril de 2018, completou um ano e não gerou nem empregos nem melhoria de renda para os trabalhadores. Pelo contrário, o desemprego é crescente e alcançou em março 13,4 milhões de brasileiros e brasileiras, segundo o IBGE, crescendo 12,7% no primeiro semestre de 2019.

Depois da reforma Trabalhista, o lucro das empresas aumentou. Muitas passaram a demitir trabalhadores registrados, para contratar terceirizados ou precarizados em seu lugar. Em alguns municípios, a informalidade já passou de 70% da força de trabalho, ameaçando de extinção direitos como o 13º salário, férias, e o pagamento de horas-extras e da licença-maternidade. E a Justiça do Trabalho foi esvaziada e corre o risco de desaparecer.

A destruição dos direitos dos trabalhadores veio acompanhada de um grave ataque à liberdade de organização, concretizado nas medidas que tentam tornar inviável a sobrevivência das organizações sindicais e operárias.

Entretanto, as crises recentes vividas por diversos países já demonstraram que esse tipo de arrocho contra os trabalhadores é, em médio e longo prazo, um tipo de "tiro no pé" no próprio capitalismo. Ao achatar a renda dos trabalhadores e da classe média, o governo arrecada muito menos impostos, as empresas vendem menos e a economia se arrasta.

Se enganam aqueles que acreditam que o povo vai aceitar calado que lhe tomem mais de R$ 1 trilhão por meio da reforma da Previdência. Se ela for aprovada, vai adicionar mais bagunça ao cenário de caos no qual o Brasil e os brasileiros estão enfiados. Teremos um sistema de aposentadorias pelo qual grande parte dos trabalhadores simplesmente não conseguirá se aposentar, tendo que trabalhar até morrer.

Para completar o desgoverno de extrema direita, a nova "Carteira de Trabalho Verde e Amarela" é mais um engodo para criar um novo sistema de apropriação de mais-valia, de primazia absoluta do lucro do capital. É tão predatório que não assegura nem mesmo a reprodução da força de trabalho.

O Sindicato dos Advogados do Estado de São Paulo (SASP) sempre se manifestou contrário à destruição de direitos. Não somente por serem eles a razão de ser de nossa categoria, mas também – e principalmente – porque os direitos são o cerne da cidadania e da democracia.

Se, diante da reforma trabalhista, nosso sindicato exerceu uma oposição relativamente solitária, frente à reforma da Previdência o quadro começa a mudar. A avalanche empresarial, financeira e midiática que tem dominado o Congresso Nacional começa a se mostrar insuficiente para sustentar o engodo da reforma de Previdência.

O 1º de maio de 2019 tornou-se um marco histórico da unidade na luta dos trabalhadores e trabalhadoras. Tivemos a participação inédita de todas as nove centrais sindicais brasileiras na organização de dezenas de manifestações unitárias, em todo o país. E juntas elas convocaram uma greve geral para o dia 14 de junho, contra a reforma da Previdência e contra o desemprego.

Nosso sindicato vai preparar e aprovar na base nossa participação nessa greve geral, inclusive montando plantões voluntários de apoio jurídico aos protestos. E continuar firmes na luta contra o desmonte das políticas públicas na saúde e educação, a destruição do patrimônio e a entrega das riquezas do Brasil, e a subordinação do país aos interesses internacionais.

Como entidade representativa dos advogados, temos a tarefa particular de denunciar as ilegalidades e inconstitucionalidades presentes na reforma da Previdência, assim como as manobras irregulares em sua tramitação.

Permaneceremos nesta trincheira, em defesa dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil, no sentido de preservar todos os nossos direitos atacados ou negligenciados pelo governo Bolsonaro, um presidente incapaz de apontar saídas para a crise e rumos para o Brasil.



* Fabio Gaspar é presidente do Sindicato dos Advogados de São Paulo (SASP)




Fonte: Portal Vermelho

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top