Só através de uma prática política comum que as lutas sociais poderão enfrentar o Neoliberalismo

Data de publicação: 26 Abr 2019




por Nailton Francisco de Souza



O Projeto Neoliberal atua fortemente para enfraquecer o poder do Estado e desmobilizar as forças tradicionais de atuação política. E somente através de uma prática política comum que as lutas sociais poderão encontrar caminhos para desenvolver ações concretas, focadas no embate contra este poderosíssimo sistema que impõem como agenda política à desregulamentação nas relações de trabalho.

Sua finalidade é flexibilizar tudo que possa atrapalhar a livre movimentação dos capitais especulativos. O resultado social é devastador e reforça a apatia das grandes maiorias e abre espaço para o oportunismo na esfera pública, que leva ao poder políticos declarados publicamente inimigos das classes trabalhadoras e seus instrumentos de resistências.

Neste contexto desolador, os sindicatos podem exercer importante papel de contra hegemonia desta onda devastadora. Mesmo que no primeiro momento eles vençam, não devemos aceitar a derrota passivamente. Temos sim, que organizar uma reação nacional, resistir e não se curvar as mudanças prejudiciais aos nossos direitos, interesses imediatos e históricos.

A população brasileira precisa ser preparada para não se acomodar e aceitar passivamente o princípio de que não vale a pena lutar contra os poderosos. Até o momento não sabemos qual será os efeitos em longo prazo das mudanças impostas e por quanto tempo serão sentidas pelo povo. Não temos dúvida de que a Globalização da Economia seja irreversível e em alguns aspectos, independem da atuação governamental.

Na visão de Eric Hobsbawm, historiador britânico reconhecido como um importante nome da intelectualidade do século XX, neste sistema o conflito se dá porque as leis do desenvolvimento capitalista são simples: maximizam a expansão, os lucros e o aumento do capital. Ou seja, atuam na lógica de mais lucros, menos empregos, mais precarização das condições de trabalho e menos benefícios possíveis.

Para ele a grande novidade é que, de todos os fatores de produção já implantados, os seres humanos são cada vez menos necessários. E o motivo é que, em termos relativos, eles não produzem tanto quanto custam, pois não foram criados para o capitalismo e citam países ricos que alimentam esta disparidade na qualidade de vida e divisão de riquezas.

Garante que os países da União Europeia tornaram-se de 50% a 70% mais ricos nos últimos vinte anos. E apesar disso, tem atualmente cerca de 20 milhões de desempregados, 50 milhões de pobres e 5 milhões de pessoas sem moradia. O grande dilema apontado pelo historiador é saber o que houve com toda essa riqueza que só aprofundou a desigualdade.

Os defensores neoliberais apontam que por sua própria natureza, a sociedade de consumo contemporânea cada vez mais obriga as estruturas políticas a se adaptarem a ela. Justamente porque a teoria do livre mercado alega que não há necessidade da política, pois a soberania do consumidor deve prevalecer sobre o resto: o mercado supostamente deve garantir o máximo de escolhas para os consumidores satisfazerem suas necessidades.

Esta teoria não se sustenta, portanto, quanto mais a política seja despolitizada e privatizada, mais prejudicado ficará o processo democrático. Como a política tornou-se algo dirigido por minoria, passa a ser percebida como algo irrelevante para a vida cotidiana das pessoas e alimentam o comportamento de milhões de analfabetos políticos que fazem questão de não ouvir, falar, nem participar dos acontecimentos políticos.

Bertolt Brecht, poeta e encenador alemão do século XX, certa vez escreveu que: “O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe que o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas”.

“O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais”.

Quando abdicamos da política fica muito mais fácil às empresas adotarem maior flexibilidade no que se refere à mão de obra. A insegurança do emprego é utilizada como estratégia para aumentar os lucros, reduzir a dependência da empresa em relação à mão de obra humana e pagar menores salários. O trabalhador (a) desinformado e despolitizado vira presa fácil da engrenagem do sistema Neoliberal e se quer percebe o quanto é explorado.

Precisamos e devemos reverter este movimento, que obriga milhões passar fome e poucos afortunados luxarem a custa do suor e sangue, dos que produzem as riquezas. Viva a unidade da classe trabalhadora.



* Nailton Francisco de Souza (Porreta) é Secretário de Assuntos dos Trabalhadores da Manutenção do SindMotoristas – SP e Diretor Nacional de Comunicação Social da Nova Central Sindical de Trabalhadores - NCST.



Imprensa NCST


 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top