TO: Sisepe contesta embargos do governo no STF e requer multa por litigância por má-fé no caso dos 25% dos servidores

Data de publicação: 16 Abr 2019




por Dermival Pereira



O Sindicato dos Servidores Públicos do Tocantins (Sisepe-TO) contestou nesta segunda-feira, 15, os novos embargos do Governo do Estado, impetrado na semana passada, no Supremo Tribunal Federal (STF), contra o Acórdão da decisão que garantiu o reajuste  dos 25% aos servidores públicos do quadro geral e da saúde do Executivo Estadual. Nas contrarazões apresentadas ao Ministro Ricardo Lewandowski, relator do processo, o Sisepe requer, também, que o Governo seja multado por litigância de má-fé.

A entidade sindical considera, ao contestar os embargos, que o Governo do Tocantins, “traz os mesmos argumentos, os quais já foram rechaçados pelo relator, sendo que esta prática fere a dignidade da justiça, visando procrastinar o feito, para impedir seu trânsito em julgado. O referido Acórdão ora recorrida não merece qualquer reforma, porque, data vênia, é justa e foi prolatada em sintonia com as normas vigentes que regem a matéria e a pacífica jurisprudência dos tribunais”, argumenta o sindicato.

Para o Sisepe, se observa claramente que foi julgada toda a matéria ora em discussão, não restando espaço para qualquer omissão, obscuridade, contradição ou erro material, requisitos para os Embargos de Declaração.

“Os embargos declaratórios prestam-se exclusivamente a sanar omissão, contradição, obscuridade ou corrigir erro material da decisão embargada, que não é o caso, vez que o Acórdão retro destacado, deixa claro o posicionamento do Pleno do STF acerca do caso concreto, tendo se manifestado sobre todos os pontos abordados pelo embargante, ainda nos embargos de declaração anterior”, afirma.    A entidade reafirma, no documento, que a intenção do governo, ao impetrar novos Embargos de Declaração, é medida “protelatória ao bom andamento do processo, e assim, a parte requerida vem requerer a aplicação da multa prevista neste dispositivo, tendo em vista a conduta de litigância de má-fé praticada pelo ora embargante”.

Na semana passada, o presidente do Sisepe, Cleiton Pinheiro criticou a atitude do Governo do Estado. Conforme explicou Pinheiro, a gestão busca, mais uma vez, embargar o que já foi embargado. “Tudo o que foi colocado nesses Embargos já foi amplamente discutido no processo, inclusive, no relatório da Ministra Carmem Lúcia e no seu voto, teve divergência de alguns ministros, mas elas foram superadas. Também foi pedido vistas durante o julgamento dessa ADI, depois ela retornou ao Pleno e em 2016 ela foi julgada favorável aos servidores”, relata Pinheiro.


Entenda


Em nova tentativa de barrar o reajuste de 25% dos servidores públicos do Executivo, o Governo do Estado interpôs na quarta-feira, 10, no Supremo Tribunal Federal (STF), um novo recurso questionando o Acórdão da decisão proferida no dia 22, do mês passado. No Acórdão agora questionado pela gestão de Carlesse, o STF negou provimento aos embargos do Governo e manteve o reajuste aos servidores concedido no ano de 2007 e depois suspenso pela gestão.

Nos Embargos de Declaração com efeitos infringentes (também conhecido como Embargos dos Embargos), o Governo questiona pontos da sentença e pede para o STF modular os efeitos da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI). Entre as solicitações postas pelo Governo, no novo recurso, está a modulação do Acórdão da Decisão, que não teria discutido o restabelecimento das leis já revogadas e nem em que momento os 25% passarão a ser aplicados, o que segundo o Sisepe, ficou claro no Acórdão, tendo em vista que a decisão tem efeito Ex tunc, ou seja, retroage ao ano de 2008.


Histórico


Em março de 2016, o Pleno do STF decidiu que as leis aprovadas em dezembro de 2007, revogando o aumento concedido dias antes, também por lei, é inconstitucional. Ou seja, o aumento salarial de 25% foi legalmente concedido aos servidores, tendo direito a ele com a sanção da lei no dia 3 de dezembro de 2007, com efeito financeiro a partir de janeiro de 2008. O aumento foi concedido aos servidores do Quadro Geral e da Saúde. Em 2010, a relatora da ADI ministra Carmen Lúcia, apresentou seu voto onde reconheceu o direito dos servidores ao aumento.


No TJ-TO


O presidente do Sisepe defende que os servidores estão há muito tempo esperando o desenrolar desse assunto e espera que a execução do direito ocorra com mais celeridade. “Era para os servidores estarem recebendo esse aumento desde 2008, e no nosso Mandado de Segurança solicitamos a implementação definitiva dos 25% e o pagamento dos retroativos gerados desde 2008”, destaca Pinheiro. O Mandado de Segurança do Sisepe, impetrado em 2008, no Tribunal de Justiça tem como relatora a desembargadora Ângela Prudente.




Fonte: Portal de Notícias Cleiton Pinheiro

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top