Previdência: mudança no cálculo da média reduziria em 20% o valor das aposentadorias

Data de publicação: 10 Abr 2019



PEC de Bolsonaro prevê regra desfavorável para os trabalhadores que pagam o INSS desde jovens




Descarte das contribuições menores tem o objetivo de compensar os primeiros anos de formação profissional / Foto: AgBr



por Juca Guimarães
edição de Aline Carrijo





Ao se preparar para a aposentadoria pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), o trabalhador precisa ficar atento ao valor do benefício, que é definido por regra complexa relacionada ao valor das contribuições feitas ao longo dos anos.

O desconto do INSS feito todos os meses no holerite não conta apenas para comprovar o tempo de contribuição necessário (35 anos para homens e 30 anos para mulheres). Ele serve também para definir o valor do salário de benefício, que define a aposentadoria e a pensão por morte.

Atualmente, a regra de cálculo determina um descarte das 20% menores contribuições, antes do cálculo da média dos valores corrigidos, o que garante uma média mais favorável aos trabalhadores. A dinâmica da regra considera que, ao descartar as 20% menores contribuições, o INSS chegará a um valor mais próximo da renda atual do trabalhador que está no auge da sua vida profissional. O descarte, em tese, atinge as contribuições feitas no começo da carreira quando o trabalhador ainda era aprendiz ou estagiário.

No entanto, a alteração na Previdência do governo Jair Bolsonaro (PSL) feita na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 06/19, que está em análise na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados e deve ter o relatório entregue nesta terça-feira (9), prevê um novo modelo de cálculo da média e uma escala de descontos que reduz em até 20,11% o valor da aposentadoria.

O advogado Guilherme Portanova, a pedido do Brasil de Fato, fez duas simulações de cálculo de aposentadorias para descobrir qual a diferença em dinheiro entre os dois tipos de cálculo.

Considerando o mesmo perfil e os mesmos valores de contribuição entre julho de 1994 e dezembro de 2018, o exemplo comparou o caso de um homem com 65 anos de idade e 35 anos de contribuição pelos valores do teto na época.

Pela regra atual, das 294 contribuições do período são consideradas as 235 maiores para se chegar na média. O valor seria então de R$ 2.127,11. Pela regra da PEC, o valor cairia para R$ 1.887,64, porque entram na conta todas as 294 contribuições.

“A reforma não ataca privilégios. Ela tira dinheiro dos mais pobres”, disse o advogado.

Além de tirar R$ 239,47 – no exemplo mencionado –, com a mudança da regra para se chegar na média, a proposta de Bolsonaro garante o valor integral apenas para quem tem 40 anos de contribuição. Para quem tem menos, há um desconto escalonado. No caso exemplificado, que é de 35 anos de contribuição, o trabalhador vai receber só 90% da média (R$ 1.698,80).

Ao todo, a perda entre uma regra e outra é de 20,11%, ou seja, R$ 428,31 de forma definitiva na aposentadoria.






Clique AQUI e acesse a Calculadora da Aposentadoria elaborada pelo Dieese
 
 
Clique AQUI e acesse a plataforma digital que dispara e-mails aos parlamentares em defesa da Previdência Social




Fonte: Brasil de Fato

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top