Empresários não pensam no médio e longo prazo ao apoiar 'reforma' de Bolsonaro

Data de publicação: 5 Abr 2019


Presidente do Instituto Ethos contesta propostas como a MP que altera financiamento sindical e demanda dos empresários uma saída pelo crescimento econômico e preservação ambiental



Medidas do governo Bolsonaro fazem "intervenção do Estado nas relações de trabalho altamente prejudicial e muito forte", diz Magri



As mudanças nas regras sobre contribuições sindicais previstas na Medida Provisória (MP) 873, proposta pelo governo Bolsonaro, soam como um "absurdo" para o diretor-presidente do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social, Caio Magri, por rever uma questão consolidada que contraria, inclusive, a própria defesa da atual gestão em prol da desburocratização estatal. "Essa é uma intervenção do Estado nas relações de trabalho altamente prejudicial e muito forte, ao contrário do que se imagina, de que seria uma desregulamentação", afirma, em entrevista aos jornalistas Marilu Cabañas e Glauco Faria, da Rádio Brasil Atual. Ele analisou também a "reforma" da Previdência e cobrou dos empresários um debate alternativo sobre a proposta e uma agenda voltada ao meio ambiente.

Sobre a MP, que veta descontos na folha de pagamento dos trabalhadores e tem sido questionada pelos sindicatos na Justiça, Magri enfatizou que o objetivo da medida é anular a possibilidade de diálogo entre trabalhadores e empregadores.

Nesta terça-feira (2), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acenou pela possibilidade de as centrais sindicais apresentarem uma alternativa à medida do governo após pressão das entidades.


"Reforma" da Previdência


Durante a entrevista, o diretor-presidente do Ethos, instituto que conta com 600 empresas associadas, cobrou ainda das lideranças empresariais um debate público efetivo quanto à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, que trata da "reforma" da Previdência. Magri avalia que apesar da emergência do tema, falta à sociedade no geral a percepção sobre os impactos da proposta. "O debate está sendo atropelado por um tempo econômico que não é o tempo necessário para uma discussão profunda", afirma o diretor-presidente, chamando atenção dos empresários para vocalizar um caminho alternativo à PEC proposta por Bolsonaro.


Ouça a entrevista:


 



"O que está em discussão é um projeto de desmonte e com pouquíssimas certezas sobre os resultados que isso vai ter do ponto de vista da qualidade de vida e da seguridade social", critica Magri.

Ele alerta que as alterações no sistema previdenciário podem prejudicar ainda mais a população brasileira do que a "reforma" trabalhista implementada pelo governo de Michel Temer. À época, justificou-se a medida com o argumento de que ela criaria mais empregos, o que não aconteceu. Com a economia e o consumo estagnados, a maior parte do setor industrial também não obteve os lucros esperados. Na opinião de Magri, Bolsonaro faz uso semelhante da mesma estratégia para afirmar a necessidade da PEC 6/2019. "Não houve crescimento da economia e esse processo com a Previdência pode se mostrar muito parecido."


Pauta do meio ambiente


Diante da necessidade de propostas alternativas de desenvolvimento levantadas pelo diretor-presidente, a temática do meio ambiente foi relembrada como um dos pontos centrais para a retomada do crescimento econômico e recuperação da imagem do Brasil no exterior.

Isso porque, de acordo com Magri, o país corre risco de perder referência e protagonismo com uma agenda que descumpra com os preceitos de preservação ambiental, cabendo as lideranças empresariais, progressistas e democráticas de diferentes segmentos da sociedade um diálogo para a construção de um projeto econômico alternativo que dê conta das demandas sociais e ambientais.

"É preciso um projeto para o Brasil que inclua articuladamente uma economia de baixo carbono com inclusão social, redução radical das desigualdades, transparência e integridade, ou a gente não tem saída, vamos realmente regredir nos índices de desenvolvimento humano, Gini e todos os outros", adverte.

Segundo o diretor-presidente, o Instituto Ethos organiza uma conferência nacional sobre mudanças no clima para o final do ano. "Um contraponto a essa desorganização do próprio governo federal", explica, em referência à recusa de Bolsonaro, no ano passado, em sediar a Conferência do Clima que conta com diversos países, a COP25. 





Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top