Contra PEC da Previdência, aposentados preparam "corpo a corpo" com deputados

Data de publicação: 27 Mar 2019



Federação de Aposentados de São Paulo faz série de conversas com parlamentares para conquistar aliados contra a reforma




Parlamentares serão pressionados a se comprometerem com a garantia do direito a aposentadoria / Fábio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil



por Juca Guimarães
edições Daniel Giovanaz




A votação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) nº 6/19, que altera o regime da Previdência Social e muda as regras de concessão das aposentadorias, será disputada não apenas nos plenários do Congresso e nas redes sociais, mas também nas ruas, aeroportos, gabinetes, e até nas casas dos deputados e senadores.

O "corpo a corpo" com os parlamentares de todos os partidos, de maneira pacífica, foi uma das estratégias definidas por integrantes da Confederação Brasileira de Aposentados, Pensionistas e Idosos (Cobap) para lutar contra o projeto de desmonte da Previdência.


Ouça o áudio:

 


Além de acompanhar a movimentação dos políticos em Brasília (DF) e aproveitar as oportunidade para abordá-los de forma respeitosa, as federações estaduais também pretendem recebê-los em suas sedes para rodas de conversas.

“Fizemos uma escala, e cada semana vai [a federação de aposentados de] um estado visitar os deputados do seu estado. Como São Paulo é o estado com mais deputados, a gente vai articular mais pessoas para visitar os deputados, tanto nos gabinetes deles como nos escritórios aqui em São Paulo”, diz José Veiga de Oliveira, presidente da Federação dos Aposentados e Pensionistas do Estado de São Paulo (Fapesp).

Na última segunda-feira (25), em São Paulo (SP), o convidado da Fapesp foi o deputado federal Arlindo Chinaglia (PT), que já foi líder do governo nas gestões de Lula (PT) e Dilma Rousseff (PT).

Os aposentados querem apoio para derrubar a PEC da Previdência e, ao mesmo tempo, reverter a medida provisória 871, editada em janeiro pelo governo Bolsonaro – que mexe nas regras de filiação às associações de aposentados, exigindo a confirmação anual das filiações.

Ao todo, o estado de São Paulo elegeu 70 deputados federais para esta legislatura, e a maior parte não revelou sua posição sobre a reforma da Previdência. Por isso, o entendimento dos aposentados é que a disputa está em aberto.

“Eles, talvez, não tenham o conteúdo da Reforma da Previdência, então é fundamental conversar com a oposição e com a situação, e com o pessoal que está no meio, flutuando, infelizmente. Assim, a gente traz eles para o nosso lado”, acrescenta Oliveira.

O deputado Arlindo Chinaglia (PT) falou sobre a importância de fazer uma abordagem estratégica na hora de procurar os políticos. A prioridade são os parlamentares que vão discutir o tema antes da tramitação em plenário.

Atualmente, a PEC está em análise na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, que não analisa o mérito ou conteúdo da proposta, mas se ela respeita as regras da edição da PECs – ou seja, se não viola princípios fundamentais da Constituição. Em seguida, o texto passará a um comissão especial para análise do conteúdo da proposta. O ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou que estaria na CCJ nesta terça (26) para defender a reforma, mas cancelou a agenda em cima da hora. 

“Eu acho mais eficaz procurar os deputados e começar por aqueles que vão participar da comissão especial, porque ali você concentrar. Não quer dizer que não devam procurar os demais, mas ali você já começa a 'amaciar o bife'”, analisa o deputado Arlindo Chinaglia.

Outro argumento que favorece o corpo a corpo dos aposentados com os deputados é o histórico dos parlamentares que se tornaram símbolos do apoio à reforma trabalhista, que também retirou direitos da população, no governo Michel Temer (MDB), e não conseguiram a reeleição.

É o caso, por exemplo, do deputado Darcídio Perondi (MDB), defensor da reforma na Câmara; do senador Eunício de Oliveira (MDB), presidente do Senado e apoiador da reforma trabalhista; do deputado Rogério Marinho (PSDB), relator da reforma trabalhista, e do ex-ministro do Trabalho da gestão Temer, Ronaldo Nogueira (PTB-RS), que tentava se reeleger deputado.




Fonte: Brasil de Fato

                                                            


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top