Reforma Trabalhista criará nova estrutura sindical no Brasil

Data de publicação: 18 Jul 2017




por Nailton Francisco de Souza



Após o Golpe Militar de 1964 o movimento sindical teve sua estrutura orgânica abalada. O balanço para os trabalhadores (as) foi desolador, devido prisões, desaparecimentos, assassinatos, cassação de sindicalistas e intervenções em sindicatos, na ocasião da luta de resistência contra o regime.

Com muita sabedoria e unidade de ações, aos poucos, os obstáculos foram superados, vencidos e, uma década depois, a classe trabalhadora volta ao protagonismo político sindical com a onda grevista iniciada no ABC paulista que, depois como rastro de pólvora, se alastrou para todo País.

Combater, coibir, prevenir e eliminar a desigualdade social e a violência no ambiente de trabalho passou a fazer parte das pautas de reivindicações entregues aos patrões, nos períodos de campanhas salariais. Ou seja, a sociedade de consumo em que um bem material vale muito mais que uma vida ou trauma, passa a ser ideologicamente contestada.

Reestabelecida a democracia, a partir de 1985 os sindicatos passam a ser identificados com inúmeros Partidos Políticos e iniciam um processo de combate, tanto do opressor social como o opressor nacional, que ganha força após a eleição presidencial de 1989 no qual o Projeto Neoliberal, defendido por Fernando Collor de Mello, vence com o voto popular.

Desde a década de 1990, a indústria brasileira sofre com a “desindustrialização” em todas as regiões e quase todos os setores produtivos. Para se ter uma ideia da dimensão deste acontecimento, em 1986 a indústria representava 36% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. Hoje, representa 10,9%. Só de 2008 a 2015 a queda foi de 10%.

Neste cenário, quanto mais se avança na competitividade intercapitalista, quanto mais se desenvolve a tecnologia concorrencial, maior é a desmontagem de inúmeros parques industriais que não conseguem acompanhar sua velocidade intensa. Pois quanto mais aumentam a competitividade e a concorrência inter-empresas e inter-potências políticas do capital, mais nefastas são suas consequências para a classe trabalhadora.

A ótica do neoliberalismo é a ótica do Estado Mínimo, de não ter políticas sociais, políticas públicas de saúde, educação e outras áreas prioritárias para a população de baixa renda. Neste sistema político, a desigualdade entre capital e trabalho é extremamente violenta.

A partir daí, a proposta vitoriosa de uma globalização econômica e produtiva passa a ditar as regras de um sistema produtor de mercadorias, que se encarregará de impor perversas transformações na vida de milhões de brasileiros (as), que só perceberão o quanto é nefasto este projeto de Estado Mínimo alguns anos depois, com a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Lula).

Agora com a Reforma Trabalhista, o movimento sindical sofre outro golpe junto com todos aqueles que nada possuem além de sua força de trabalho, e que, frequentemente, vivem em condições miseráveis. Ficará difícil aceitar que os detentores do capital passem a se apropriar de um montante significativo da riqueza produzida sem que tenha trabalhado para isso.

As conquistas históricas dos trabalhadores (as) foram massacradas e o cenário recessivo da crise tende a piorar com as novas regras trabalhistas. Análise do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) aponta que a reforma transformará um emprego formal em dois ou três informais. Será a “uberização” do trabalho.

Infelizmente o parlamento brasileiro agiu como fiel colaborador para que o Brasil se transforme eternamente província monetária dos Estados Unidos (EU). Ao movimento sindical, resta aglutinar forças e transformar a indignação em resistência nos locais de trabalho contra estes ataques aos direitos sociais e trabalhistas.

O caminho parte em direção de fortalecer a consciência de classe e ter mais atenção na hora de votar em uma base de representação popular no Congresso Nacional mais progressista, ligada aos interesses nacionais e dos trabalhadores (as). Afinal, como bem diz José Calixto Ramos, presidente da Nova Central, o sindicalismo é uma chama que nunca se apaga e sobreviverá a mais este ataque.



Nailton Francisco de Souza é diretor Nacional de Comunicação da Nova Central.




Imprensa NCST

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top