Para deputado carioca, calamidade no Rio tem nome: PMDB

Data de publicao: 22 Jun 2016


Oswald de Andrade dizia que a vida é uma calamidade em prestações. No Rio de Janeiro, a conta bilionária pelas parcelas de incompetência e corrupção em quase dez anos de governo do PMDB foi apresentada à população. Ao ser questionado sobre os motivos que o levaram a decretar estado de calamidade pública, o governador Francisco Dornelles respondeu cinicamente que o "ontem pertence à história".

Não surpreende que ele se recuse a olhar para o passado. Se o fizesse, veria as gandaias parisienses de Sérgio Cabral, o guardanapo na cabeça de Fernando Cavendish, as falcatruas na reforma do Maracanã, a propina de Eduardo Cunha nas obras do Porto Maravilha e a farra das empreiteiras da Lava Jato na Olimpíada.

Em suma, a calamidade por que passa o Rio de Janeiro não é fruto de um desastre, de um evento inesperado que pegou a todos de surpresa. A crise vem sendo alimentada há anos pelos governos do PMDB no Estado e no município.

A iniciativa é mais do que uma confissão de incapacidade administrativa. Trata-se de uma manobra, já que a legislação prevê a possibilidade de declaração de calamidade pública apenas em casos de eventos anormais. A pedalada permitirá, por exemplo, que o governo tome medidas de exceção, como contratar à revelia da Lei de Licitações.

O objetivo não é aliviar a agonia de servidores públicos que estão sem receber os salários - alguns sequer têm o que comer. O dinheiro será utilizado exclusivamente para tentar salvar os Jogos Olímpicos da gestão incompetente de Eduardo Paes.

Podemos situar a primeira prestação de calamidade no dia 1º de janeiro de 2007, quando Sérgio Cabral assumiu o governo. Desde então, o endividamento saltou de R$ 50,5 bilhões para R$ 107 bilhões — aumento de 112%.

Já o esbanjamento em isenções fiscais resultou na perda de R$ 138 bilhões entre 2008 e 2013. Esses recursos seriam suficientes para pagar por cinco anos os salários dos servidores estaduais. Não sou contra políticas de concessão, desde que haja contrapartidas econômicas e sociais, o que não ocorreu no Rio.

A situação da fábrica da Jaguar Land Rover é emblemática. A empresa obteve benefícios fiscais que somam R$ 750 milhões, mas gerou apenas 400 postos de trabalho. O Mercado Municipal do Rio de Janeiro, conhecido como Cadeg, emprega 6.800 pessoas sem receber os mesmos incentivos. Joalherias e relojoarias obtiveram R$ 230,7 milhões.

O pior é que o decreto de Dornelles agravará ainda mais a crise ao ampliar o endividamento de um Estado falido, cuja única preocupação, diante do caos humano, é com os Jogos Olímpicos. A calamidade no Rio tem nome: PMDB. 

Marcelo Freixo: Deputado Estadual - RJ


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top