Corrupção e terceirização: faces de um mesmo discurso

Data de publicação: 24 Ago 2015

Quem é contra a corrupção e está atento à insistente informação midiática acerca da operação Lava Jato, deve ter observado a quantidade de terceirizações e quarteirizações diretamente envolvidas no desvio de dinheiro público. O tema da terceirização está, portanto, mais próximo de nós - de todos nós - do que podemos imaginar.

A operação Lava Jato investiga um esquema de superfaturamento de contratos da Petrobrás para pagamento de propina a agentes públicos e privados. A burocracia e a possibilidade de contratação de empresas privadas (a terceirização) é um dos caminhos principais para permitir tais atos de corrupção.

A terceirização, portanto, está diretamente relacionada ao discurso contra corrupção, que vem animando manifestações pelo país. A administração pública é o empregador que mais terceiriza no país. Ao fazê-lo, burla a norma de contratação por meio de concurso público. A recente decisão do STF na ADI 1923 permite à administração pública, direta e indireta, contratar pessoas por meio de Organizações Sociais, mesmo em tribunais, hospitais e escolas. A prática de contratar empresas, para contratar pessoas, em lugar de contratá-las diretamente, por meio de certame público, potencializa as possibilidades de desvio de dinheiro público, cria procedimentos desnecessários e burocratiza a prestação de serviço público. O PLC 30 amplia ainda mais as possibilidades de repasse de força de trabalho, estimulando a corrupção tanto em âmbito público quanto privado.

A chamada Agenda Brasil, anunciada recentemente, inclui a terceirização e, portanto, a aprovação do PLC 30/2015, no rol de prioridades dos poderes de Estado. E, ao que parece, pela movimentação do Congresso para a inclusão em regime de urgência, a terceirização figura realmente como o verdadeiro principal objetivo da articulação que se desenha no panorama político do país.

Muito já foi dito contra a terceirização: reduz salários, distancia o trabalhador do verdadeiro beneficiário do trabalho, potencializa o número de acidentes, reduz as contribuições previdenciárias e fiscais, facilita a exploração do trabalho infantil ou em condição análoga à de escravo. Resta o que ainda precisa ser dito: está diretamente relacionada às últimas notícias de corrupção no país.

O discurso que rechaça a corrupção, vestindo-se das cores do Brasil para pedir maior compromisso com a coisa pública, precisa urgentemente perceber que a agenda da terceirização   está na contramão também das suas prioridades. Para além das diferenças político-partidárias, portanto, existe uma agenda comum, que repele a institucionalização da corrupção e que, por consequência, precisa repelir fortemente qualquer tentativa de regulamentação da terceirização nas relações de trabalho.

Fonte: Valdete Souto Severo (Fórum do Combate à Terceirizacão)

 
 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top