Por: Ronei de Lima" /> Por: Ronei de Lima">

O sutil desmonte da estrutura sindical

Data de publicao: 20 Maio 2013

Há alguns dias, a presidente Dilma Rousseff vetou a criação de um novo imposto sindical, que havia sido inserida pelo Congresso Nacional num projeto de lei que regulamenta a profissão de comerciário. Este foi mais um capítulo da batalha entre centrais sindicais, governo e empresas.
 
Formado majoritariamente por bancadas defensoras do grande capital, o Congresso tem se destacado pelas medidas cujo objetivo é enfraquecer e desmontar o movimento sindical. O novo imposto substituiria gradativamente a atual contribuição sindical (correspondente a um dia de trabalho, cobrada anualmente do trabalhador) pela contribuição negociada entre sindicato e trabalhadores (até o teto de 1% sobre o salário do mês). Hoje, 60% deste valor vai para os sindicatos, 20% para federações, 10% para confederações e, desde 2008, 10% para as centrais; o restante vai para o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).
 
O novo imposto dividiu as centrais sindicais e ganhou pareceres contrários do Ministério do Trabalho e da Advocacia-Geral da União. Hoje, apenas a CUT é favorável à medida.
 
Por um motivo simples. O movimento sindical se opõe firmemente à flexibilização do imposto sindical, que hoje é pago pelos 47 milhões de trabalhadores com carteira assinada no País, recurso que tem grande importância para a sobrevivência das entidades e ações de defesa dos direitos trabalhistas. Desnecessário dizer que, uma vez flexibilizadas as normas para pagamento deste imposto, a tendência seria de queda da arrecadação das entidades, tendo como consequência o enfraquecimento progressivo e até a morte de muitas delas.
 
Cobrado de todos os trabalhadores desde 1943, o imposto sindical é revertido em ações de melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores. Os defensores do ‘imposto negocial’ argumentam que ele possibilitaria que o trabalhador acompanhasse e cobrasse mais de seu sindicato, aumentando o desempenho das entidades. Porém, a ação dos sindicatos, centrais, federações e confederações não está baseada em cobranças de metas, mas sim da união, da participação e do protagonismo do próprio trabalhador.
 
E, ao contrário dos argumentos utilizados pelos congressistas para justificar  governo federal, não se depende deste tipo de negociação para que o sindicato atue de forma mais contundente, mas sim da união dos trabalhadores. O sindicato somos todos nós, se o trabalhador conseguir compreender isso, a entidade será forte.
 
A Nova Central Sindical (NCST), à qual a Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Mato Grosso (FETIEMT) é filiada é contrária ao fim do imposto sindical, assim como todas as centrais sindicais do país, com exceção da CUT. Para nós, esta parece ser parte de uma estratégia para provocar o desmonte da estrutura sindical. Precisamos estar atentos sempre!
 
* Ronei de Lima é presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Mato Grosso (FETIEMT), em Cuiabá.


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top