::: NCST - NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES :::

Enquanto não houver vacina para países pobres, haverá novas variantes

17 Dez 2021


Conforme surgem novas mutações do coronavírus, em meio a populações que recebem poucas doses da vacina, vários meses ou anos são acrescentados à duração da pandemia em todo o mundo.

 
Embora os ricos do Ocidente tenham preferido o acesso a várias rodadas de vacinas, um grande número de pessoas, especialmente na África e no subcontinente indiano, não recebeu uma única dose. (Pixabay / Canva)


por Dawn ME Bowdish e Chandrima Chakraborty
tradução de Cezar Xavier



A taxa de vacinação COVID-19 do Canadá ( https://health-infobase.canada.ca/covid-19/vaccination-coverage/ ) é de 76 por cento – 10 vezes maior ( https://ourworldindata.org/explorers/coronavirus-data-explorer?zoomToSelection=true&time=2020-03-01..latest&facet=none&pickerSort=desc&pickerMetric=total_vaccinations_per_hundred&Metric=Vaccine+doses&Interval=Cumulative&Relative+to+Population=true&Align+outbreaks=false&country=Africa%7ECAN ) do que em todo o continente africano.

Embora os ricos do Ocidente tenham preferido o acesso a várias rodadas de vacinas, um grande número de pessoas, especialmente na África e no subcontinente indiano, não recebeu uma única dose ( https://ourworldindata.org/covid-vaccinations ). Isso permitiu que o vírus prosperasse e acelerou o processo de mutação ( https://www.oxfam.org/en/press-releases/two-thirds-epidemiologists-warn-mutations-could-render-current-covid-vaccines ) , acrescentando meses e talvez anos à pandemia.

Onde quer que o COVID-19 tenha a chance de permanecer, as variantes se desenvolvem e viajam ( https://www.theguardian.com/commentisfree/2021/nov/26/new-covid-variant-rich-countries-hoarding-vaccines ). Esse padrão inteiramente previsível está destinado a se repetir, a menos que os países com recursos compartilhem as vacinas ( https://news.un.org/en/story/2021/08/1098882 ) com outros que não podem pagá-las.

Os países ricos ainda não cumpriram suas promessas ( https://www.cbc.ca/radio/asithappens/as-it-happens-thursday-edition-1.6219522/rich-countries-only-shared-14-of-covid-19-vaccine-doses-promised-to-poorer-nations-report-1.6219969 ) de fornecer acesso global equitativo às vacinas por meio da COVAX ( https://www.unicef.ca/en/covax-ensuring-global-access-covid-19-vaccines?ea.tracking.id=20DIAQ01OTE&19DIAQ02OTE=&gclid=Cj0KCQiAzMGNBhCyARIsANpUkzP5fE37OazUDpzB8MnRHS-_hAe1K8l08m_x1dIRTGPh5YjyjSxW7QoaAjQMEALw_wcB ) (uma colaboração internacional para adquirir e distribuir vacinas COVID-19) e outras iniciativas. A resultante falta de ampla cobertura global de vacinas tornou inevitável o surgimento de outra variante como o Omicron.

Para o Canadá, é mais crítico do que nunca equilibrar cuidadosamente o suprimento de vacinas disponíveis para uso doméstico enquanto prioriza o compartilhamento internacional – e incentiva a fabricação regional.


Milhões de doses de vacina pré-encomendadas


Quando a crise do COVID-19 começou, os principais fabricantes venderam previamente suas vacinas aos governos à medida que estavam sendo desenvolvidas, mas antes de serem testadas, como uma forma de financiar seu trabalho, incluindo ensaios clínicos.

O Canadá e outros países desenvolvidos pediram milhões de doses ( https://theconversation.com/canadas-me-first-covid-19-vaccine-strategy-may-come-at-the-cost-of-global-health-146908 ), o suficiente para cobrir suas populações muitas vezes, com promessas de compartilhar o excesso de vacinas com outros países. Isso não aconteceu com rapidez suficiente. Embora barreiras logísticas, legais e outras impedissem a distribuição mais ampla de vacinas, parece haver falta de vontade ( https://globalnews.ca/news/8243635/bolivian-minister-canada-covid-vaccine-waiver/ ) para superá-las.

O ímpeto ganho com a aceleração do desenvolvimento de vacinas foi perdido.

 
Frascos esperando para serem preenchidos com a vacina COVID-19 da Pfizer em uma fábrica na França. Os países desenvolvidos adquiriram previamente milhões de doses de vacinas COVID-19 enquanto ainda estavam em desenvolvimento.


As terceiras doses e as injeções de reforço ( https://www.wsj.com/articles/pfizer-biontech-covid-19-vaccine-loses-significant-effectiveness-against-omicron-in-early-study-companies-say-11638964121 ) serão importantes para controlar a ameaça contínua do Delta e a disseminação do Omicron. Os canadenses certamente devem seguir as orientações de saúde pública e tomar suas vacinas quando forem recomendadas. Uma vez que as doses da vacina estão nos freezers e geladeiras canadenses, eles não vão a lugar nenhum, e diminuir uma dose não significa que ela será redistribuída para outras partes do mundo que precisam delas.

Em nível federal, o Canadá só deve comprar o que for necessário internamente e se comprometer a acelerar a distribuição de vacinas em outros lugares. O mesmo se aplica a todos os países ricos.


A ascensão da Omicron


Assistir à ascensão da Omicron é particularmente frustrante. Ficou claro desde o início que a disseminação do COVID-19 precisava ser desacelerada globalmente, precisamente para evitar o surgimento de variantes. Essa mensagem deveria ter ficado mais clara após a disseminação da variante Alpha ( https://www.ox.ac.uk/news/2021-07-23-alpha-variant-spread-super-seeding-event-warning-over-covid-19-variants ) ágil . Deveria ter ficado mais claro ainda com o ataque rápido da variante Delta ( https://theconversation.com/why-is-delta-such-a-worry-its-more-infectious-probably-causes-more-severe-disease-and-challenges-our-vaccines-163579 ).

Variantes como Delta e Omicron surgirão quando a carga de infecção for alta e as taxas de vacinação forem baixas, como é o caso de muitos países do Sul Global. A identificação de variantes por seu país de origem ( https://theconversation.com/coronavirus-variants-have-new-names-we-can-finally-stop-stigmatising-countries-159652 ) perpetua um longo legado de representação de pessoas racializadas como originadoras ou portadoras de doenças ( https://theconversation.com/calling-covid-19-a-chinese-virus-is-wrong-and-dangerous-the-pandemic-is-global-134307 ).

Na verdade, o mundo tem sido bem servido pelos admiráveis ​​investimentos da África do Sul na vigilância de doenças, que revelaram a mais nova ameaça do COVID-19.

Não há como saber em que lugar do mundo a variante Omicron realmente surgiu, embora tenha sido detectada pela primeira vez na África do Sul. A África do Sul já percorreu esse caminho antes com o HIV e tinha um sistema de vigilância de pandemia bem desenvolvido que lhe permitiu detectar essa variante ( https://www.nicd.ac.za/diseases-a-z-index/disease-index-covid-19/sars-cov-2-genomic-surveillance-update/ ).


Investindo na saúde global


O Canadá não tem historicamente investido na saúde global, na pesquisa de doenças infecciosas ou na inovação e fabricação de vacinas.

Como resultado, nosso país é um consumidor de vacinas COVID-19 ao invés de um contribuinte para o fornecimento global ( https://www.cbc.ca/news/politics/domestic-vaccine-manufacturing-canada-1.6004427 ) . Apesar de ter pequenas instalações de fabricação com capacidade para contribuir com alguns milhões de doses, o Canadá carecia de vontade política para reaproveitar essas instalações para auxiliar no esforço global de vacinação.

A fabricação regional aqui e no exterior pode permitir uma vacinação mundial mais rápida. Os fabricantes de vacinas já estão contratando fabricantes locais na Índia ( https://caravanmagazine.in/health/will-600-million-india-made-doses-of-johnson-and-johnson-vaccine-be-exported-to-rich-western-countries ) e na África ( https://www.nytimes.com/2021/08/16/business/johnson-johnson-vaccine-africa-exported-europe.html ) para fazer as doses da vacina, mas essas doses estão sendo enviadas para o Ocidente em vez de estarem disponíveis localmente. Compartilhar conhecimento e tecnologia que pode ajudar os países do Sul Global a desenvolver vacinas e vacinar suas próprias populações terá um benefício maior a longo prazo para o mundo do que tentar impedir as variantes fechando fronteiras.

Com o passar da crise, investimos na fabricação nacional no Canadá ( https://www.ic.gc.ca/eic/site/151.nsf/eng/00006.html ), mas levará anos para equipar essas fábricas com pessoal treinado, quanto mais para criar vacinas inovadoras que sejam mais adequadas para distribuição no Sul Global.
Em vez de sermos consumidores que contribuem para a distribuição injusta de vacinas, temos a oportunidade de incorporar a equidade da vacina a esses investimentos.

Podemos nos comprometer a treinar pessoas de países onde as vacinas são mais necessárias para equalizar o acesso à experiência. Podemos nos comprometer com parcerias globais para distribuir a manufatura de maneira equitativa e podemos ser defensores da mudança.

À medida que reconstruímos e investimos no desenvolvimento e produção de vacinas, temos a oportunidade de nos tornarmos líderes em igualdade de vacinas e reduzir a carga de doenças infecciosas agora e no futuro.


* Dawn ME Bowdish é da Cátedra Canadá de Pesquisa em Envelhecimento e Imunidade, Universidade McMaster

** Chandrima Chakraborty é professora de Inglês e Estudos Culturais; Diretora do Center for Peace Studies, McMaster University




Fonte: Portal Vermelho

 
    Copyright © 2021 NCST | Desenvolvimento: Techblu.com