::: NCST - NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES :::

CPI da Covid aponta pagamento mensal de propina no Ministério da Saúde

20 Jul 2021


Entre os envolvidos no esquema estão Ricardo Barros, deputado e líder de Bolsonaro na Câmara, e o ex-diretor do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias

 
A investigação aponta que o esquema tenha distribuído até R$ 296 mil por mês ao líder do governo Bolsonaro na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) - Foto: Agência Câmara


CPI da Covid ( https://www.redebrasilatual.com.br/politica/2021/07/cpi-da-covid-quem-foi-quem-corrupcao-saud/ ) abriu uma nova linha de investigação que apura pagamentos mensais de propina a políticos e servidores ligados ao Ministério da Saúde via VTCLog, empresa privada que armazena e distribui vacinas. De acordo com o UOL, a suspeita é de que o esquema aconteça desde 2018.

A investigação revela que o esquema tenha distribuído até R$ 296 mil por mês ao líder do governo Bolsonaro na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) ( https://www.redebrasilatual.com.br/politica/2021/07/bolsonaro-caso-covaxin/ ), e outros dois deputados que ainda não foram revelados. O caso foi denunciado por uma ex-servidora da pasta e discutido em uma reunião de senadores, no último dia 6, na casa de Omar Aziz (PSD-AM), presidente da comissão.

Além disso, entre os beneficiários da propina também estaria o ex-diretor de logística da Saúde Roberto Ferreira Dias ( https://www.redebrasilatual.com.br/politica/2021/07/roberto-dias-jantar-propina-dominguetti-chope/ ), preso por mentir em depoimento à CPI. Dias teria recebido R$ 99 mil mensais, enquanto esteve trabalhando na pasta.

Outro nome ligado a Ricardo Barros também é citado nas denúncias como operador do esquema: Adeílson Loureiro Cavalcante, secretário-executivo da Saúde na gestão Barros. Ao todo o esquema renderia R$ 990 mil por mês aos envolvidos.


VTCLog e o esquema


Anteriormente, a distribuição de vacinas e de outros insumos pelo governo federal era feita pelo próprio Ministério da Saúde, por meio da Central Nacional de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos (Cedani), que existiu por cerca de 20 anos. Porém, enquanto ministro da Saúde, Barros extinguiu o órgão e, em seu lugar, entrou a empresa VTC Operadora Logística Ltda, conhecida como VTCLog.

A reportagem de Lucas Valença, do Uol, mostra que um parlamentar da CPI diz que novas testemunhas relataram a senadores que a “operadora logística” contratada durante a gestão Barros seria um meio para desviar recursos do Ministério da Saúde, inclusive durante a pandemia do novo coronavírus.

Com a entrada da VTCLog no Ministério da Saúde, o esquema de propina teria começado a funcionar prevendo distribuição de propina mensal pelos cinco anos seguintes. Ao todo, as suspeitas indicam que os desvios poderiam chegar a R$ 59,2 milhões, cerca de 10% do contrato assinado com a empresa.

Ao UOL, Barros e VTCLog negaram as acusações. Dias e Loureiro não se posicionaram. Os envolvidos já foram convocados pela CPI ( https://www.redebrasilatual.com.br/politica/2021/06/cpi-da-covid-convocacao-barros/ ) para prestarem depoimentos. Até o momento, apenas Dias foi ouvido.



Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 
    Copyright © 2021 NCST | Desenvolvimento: Techblu.com