Data de publicação: 14 Fev 2020



Na 326ª Reunião do Conselho Nacional de Saúde conselheiras e conselheiros também discutiram o cenário da política de HIV/Aids no país




Aníbal Machado (ao centro), representante da Nova Central no CNS



A 326ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Saúde (CNS), que ocorre entre os dias 13 e 14 de fevereiro, debateu a situação do novo coronavírus no Brasil. Considerada por especialistas uma ameaça para a Saúde pública no mundo, conselheiros e conselheiras discutiram as medidas de enfrentamento e prevenção ao vírus no Brasil junto a representantes do Ministério da Saúde (MS). A reunião foi aberta ao público e transmitida pelo Datasus. 
 
No dia 13, às 10h, o cenário da política de HIV/Aids no Brasil entrou em discussão no CNS junto a ativistas da causa e o Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis do MS. Ao meio dia, entrou na pauta a Comissão Nacional de Ética e Pesquisa (Conep). Às 14h, o CNS discutiu o atual modelo de Atenção Primária à Saúde, que passou por mudanças recentes sem aval do controle social.
 
Também às 14h, os membros do CNS debateram os temas relacionados à Comissão Intersetorial de Recursos Humanos e Relações de Trabalho (Cirhrt). Às 18h, a Comissão Intersetorial de Orçamento e Financiamento (Cofin), que monitora e fiscaliza o orçamento do MS, debateu o tema.
 
Para o representante da NCST no Conselho Nacional de Saúde, Aníbal Machado, o primeiro dia de reunião foi bastante produtivo. Em mensagem encaminhada à Imprensa NCST, Machado denunciou o sucateamento dos recursos mesmo diante do avanço de endemias como a dengue, que cresceu 600% ao longo de 2019; a ameaça do coronavírus e o desfinanciamento da atenção primária, que vem comprometendo o atendimento nos municípios. Aníbal pede atenção especial, em ano eleitoral, para candidatos verdadeiramente comprometidos com a saúde pública. O representante da NCST defende que é preciso assegurar mais cadeiras, nos espaços de poder, àqueles que almejam o crescimento e fortalecimento do Sistema Único da Saúde (SUS).


Ouça a íntegra da mensagem do representante da Nova Central no Conselho Nacional de Saúde, Aníbal Machado:


 



 
No dia 14, a partir de 8h, o plenário do CNS discutirá sobre os impactos do derramamento de óleo nos mares brasileiros. Às 10h, o tema do novo coronavírus entrou em destaque, com foco na prevenção. À da tarde, a partir de 14h, a 6ª Conferência Nacional de Saúde Indígena (6ª CNSI), marcada para ocorrer de 1 a 4 de julho, entra em debate. Em seguida, as demais comissões do CNS e os encaminhamentos do pleno encerram a reunião.
 
 


Imprensa NCST com informações do portal #susconecta