Data de publicação: 13 Fev 2020





Nesta quarta-feira (12/02), o presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores – NCST, José Calixto Ramos, participou de reunião com Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado; e Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados. Na oportunidade o líder sinidcal articulou para o encerramento do impasse entre grevistas e governo, bem como solicitou novas agendas com os atuais líderes do Congresso Nacional. A paralisação completa 13 dias e atinge 108 unidades da Petrobras.







Calixto considera que a mesa de negociação é o caminho para a conciliação, não medidas arbitrárias e autoritárias por parte de gestores que insistem em ferir princípios básicos da democracia. “É inadmissível que a Petrobrás siga sem abrir negociação com a categoria, ao mesmo tempo em que recorre ao TST para pedir abusividade do movimento, impondo à categoria um efetivo de 90% com multas de até R$ 500 mil em caso de descumprimento. O direito de greve jamais foi tão violado. Esse tipo de agressão à atividade sindical é incompatível com um país que se auto intitula democrático. Permaneceremos vigilantes ao descumprimento das regras constitucionais e às convenções internacionais ratificadas pelo país. Seremos, juntos, guardiões do Estado Democrático de Direito, da Constituição e da segurança jurídica, pilares indispensáveis ao nosso desenvolvimento”, argumentou o presidente da Nova Central para esta reportagem.







Ao final da reunião, Maia e Alcolumbre se comprometeram a abrir intermediação junto a Petrobras objetivando a possibilidade de a estatal voltar a negociar com a categoria. Esse é um dos principais pontos de reivindicação da greve dos petroleiros. Os dois presidentes das casas legislativas prometeram aos demais parlamentares e lideraças sindicais que participaram da reunião, acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) questionando uma decisão dos ministros da Corte que permitiu a venda de subsidiárias de estatais sem a autorização do Congresso.



* com imagens do fotógrafo André Oliveira




Imprensa NCST com informações da Rede Brasil Atual e Revista Fórum