Data de publicação: 14 Out 2019



De acordo com representantes, veto se soma à precarização no ensino público 




"O Brasil está vivendo vários retrocessos e esse é um dos grandes retrocessos que impedem, na verdade, a luta que nós defendemos para um Brasil melhor e com educação", contesta presidenta da Federação Nacional dos Assistentes Sociais



A decisão do presidente Jair Bolsonaro em vetar integralmente o Projeto de Lei da Câmara dos Deputados (PLC 60/2007 ( https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/82215 )), que exige a presença de psicólogos e assistentes sociais nas escolas públicas, é mais um retrocesso que reflete a precarização do ensino ( https://www.redebrasilatual.com.br/educacao/2019/10/governo-bolsonaro-precarizar-nao-renovar-fundeb/ ), segundo avaliam representantes dos setores de educação e psicologia em entrevista ao repórter Cosmo Silva, da Rádio Brasil Atual.

Na edição do Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira (9) foi publicado o veto presidencial à proposta, que previa a formação de equipes com profissionais para atender estudantes dos ensinos fundamental e médio, em prol da melhoria do processo de aprendizagem e das relações entre alunos, professores e a comunidade escolar. Segundo Bolsonaro, no entanto, o projeto não apresentava uma previsão de gastos e nem estabelecia uma fonte de recursos, o que o caracterizaria como “inconstitucional” e de “contrariedade ao interesse público”.

A presidenta da Federação Nacional dos Assistentes Sociais (Fenas), Margareth Alves Dallaruvera, discorda da avaliação do governo, que teve o aval dos ministros da Saúde e da Educação. “Nós, assistentes sociais e psicólogos estamos perplexos”, destaca Margareth. “O Brasil está vivendo vários retrocessos e esse é um dos grandes retrocessos que impedem, na verdade, a luta que nós defendemos para um Brasil melhor e com educação. Sem educação, nós não seremos um país desenvolvimento.”

“A verdade é que a presença de psicólogos e assistentes sociais traria possibilidades de compreensão política, social, cultural e histórica, o que não é interessante para esse projeto do governo atual”, contesta o professor universitário e psicólogo Ed Otsuka.

Agora a aposta dos representantes é que a sociedade civil faça pressão derrubar para o veto presidencial, que será analisado pelo Congresso Nacional.


Ouça a reportagem na íntegra:


 





Fonte: Rede Brasil Atual - RBA