Data de publicação: 1 Jul 2019


Dirigente afirma que recusa de Bolsonaro ao diálogo ajudou a unir o movimento sindical 


Desde 1º de janeiro, as  Centrais Sindicais aguardam do Presidente Jair Bolsonaro resposta à Carta em que pedem a abertura de diálogo com o governo nos assuntos do interesse da classe trabalhadora. A Carta foi assinada pela CUT, Força Sindical, UGT, Nova Central, CTB e CSB.

Diz o texto: “Nós, representantes das Centrais, esperamos que todas as medidas que atinjam os trabalhadores passem por um amplo processo de discussão e negociação e reiteramos que a necessária defesa dos direitos dos trabalhadores é totalmente compatível com a construção de um país mais justo, democrático, moderno e desenvolvido”.

Além de manter silêncio quanto à Carta e distância do sindicalismo, Bolsonaro adotou, desde então, uma série de medidas agressivas aos trabalhadores e a suas organizações classistas. A Medida mais abrangente, e lesiva, é a PEC 06, que reforma a Previdência com profundos cortes em direitos.

Mas a ação governista não ficou nisso. Há 90 dias, Bolsonaro e ministro Paulo Guedes, da Economia, publicaram a Medida Provisória 873, que praticamente inviabiliza o custeio das entidades, incluindo as patronais.

Calixto - A Agência Sindical ouviu o mais experiente dirigente de Central, o pernambucano José Calixto Ramos, que preside a Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST). Ele afirma: “O atual ocupante do Planalto se comporta diferente de todos os demais presidentes da República. Fernando Henrique, Temer, Lula, Dilma, Itamar e mesmo Collor de Mello sempre nos receberam em audiências. Bolsonaro já mostrou que não gosta dos trabalhadores."





Para superar essa falta de interlocução, Calixto informa que as Centrais estão buscando construir outras alternativas em defesa dos direitos dos trabalhadores. Ele comenta: “Bolsonaro construiu indiretamente uma unidade inédita das Centrais; nunca estivemos tão próximos e articulados. Temos atuado em conjunto na luta contra a reforma da Previdência e também procurado alianças com outros setores”.

O presidente da Nova Central cita a reunião do dia 26 com a CNI - Confederação Nacional da Indústria - como uma nova etapa dessa articulação das Centrais.  “Como o governo dá de ombros aos interesses da população, nós buscamos novas alianças. No caso da CNI, debatemos a recuperação da economia, a reforma tributária, a retomada da oferta de crédito e a necessidade da geração de emprego e renda”.

“As medidas econômicas do governo não são boas pra ninguém, nem pros patrões”, afirma Calixto, para quem o sindicalismo deve aprofundar a união com outros setores da sociedade, buscando a defesa do interesse público.


Carta – Leia AQUI ( http://fsindical.org.br/forca/carta-das-centrais-sindicais-ao-presidente-da-republica-jair-bolsonaro ) a íntegra da carta.




Fonte: Agência Sindical