Data de publicação: 8 Jun 2018


Brasil está entre os 24 países cujas violações trabalhistas são as mais emblemáticas para a organização.



A reforma trabalhista alterou mais de 100 pontos da CLT



A Organização Internacional do Trabalho cobrou até novembro deste ano explicações do governo brasileiro sobre a reforma trabalhista ( https://www.cartacapital.com.br/revista/949/retrocessos-da-reforma-trabalhista ), depois de ser acusada de "jogo político" por Helton Yomura (PTB), ministro do Trabalho, na 107ª Conferência Internacional do Trabalho, em Genebra, na Suíça. 

O ministro afirmou que a organização centenária fez uma "escolha político-ideológica ( https://www.cartacapital.com.br/politica/em-genebra-procuradores-lamentam-ataque-201cconstrangedor201d-de-ministro-a-oit )" ao incluir o Brasil em uma lista de 24 países que afrontam as normas trabalhistas internacionais. Procuradores criticaram as declarações do chefe da pasta.

O Brasil foi incluído em uma lista de 40 casos mais graves selecionados pela OIT no início deste ano, com observações claras sobre a "aparente inconvencionabilidade" da legislação que alterou mais de 100 artigos da Consolidação das Leis do Trabalho. 

Na Conferência em Genebra, os peritos da OIT confirmarm a inclusão do Brasil em uma lista menor, de 24 países, que inclui os casos mais emblemáticos de violações trabalhistas. 

Vice-presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), a juíza Noemia Porto, que acompanha a Conferência, afirmou que o Brasil permanecerá na lista enquanto houver possibilidade da prevalência do negociado sobre o legislado, de negociações individuais e contratos precários no País. Segundo ela, o país entra num ciclo vicioso de sucessivas inserções ao lado de países que violam normas internacionais, de forma sistemática.”

Procurador-Geral do Ministério Público do Trabalho, Ronaldo Fleury destacou os alertas feitos pela instituição para evitar que a reforma fosse aprovada e entrasse em vigor. "O MPT ( https://www.cartacapital.com.br/sociedade/Para-MPT-dados-do-IBGE-distorcem-nimeros-do-trabalho-infantil ), sempre que chamado, alertou o Congresso Nacional e o governo acerca das previsões constantes na Convenção nº 98, da OIT, ratificada pelo Brasil, esclarecendo que não houve o necessário prévio diálogo social e que o negociado sobre o legislado ofende a Convenção. Lamento a exposição internacional do Brasil, que poderia ter sido evitada se as nossas ponderações fossem consideradas".




Fonte: CartaCapital