Data de publicação: 29 Maio 2018




Relembrar o dia do Trabalhador (1º de maio), foi o objetivo da Sessão Solene realizada no Senado Federal nesta segunda-feira (28/05). "Estamos vivendo em um momento de crise sem precedentes. No entanto, precisamos comemorar pela vivacidade que ainda nos resta, e que nos permite continuar lutando e enfrentando todo e qualquer tipo de problema que nos chega.  Agora, em relação ao movimento sindical, é preciso formular uma nova engenharia de funcionamento, no sentido de superar o momento difícil em que estamos passando. E a partir daí, que possamos renascer com mais vigor e força", expõe José Calixto Ramos, presidente da Nova Central Sindical de Trabalhadores - NCST.

Ainda segundo Calixto, para superar esse momento "nefasto" que o sindicalismo vem passando, será preciso a unidade de forças em defesa da classe trabalhadora brasileira.






Para Moacyr Roberto, secretário-geral da Nova Central, falar em homenagem ao dia do trabalhador; é falar dos mais de 20 milhões de desempregados que sofrem em todo Brasil. “O que vamos comemorar? O desmonte da estrutura sindical? A precarização das relações de trabalho? Comemorar por um Ministério do Trabalho que nada nos representa e muito menos nos protege? Realmente só nos resta continuar lutando por nossos direitos. E desta forma, aproveitamos a ocasião para fazer uma solicitação à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa - CDH pela revogação da lei da terceirização (nº 13 429/2017) e da famigerada “contrareforma” ou “lei da modernidade” (Lei nº 13.467 2017)”, protestou Moacyr Roberto - NCST, representante também das Confederações ligadas aos trabalhadores.






Todos os convidados foram unânimes em suas colocações, enfatizando sempre por uma celebração que muito mais combina com luta do que com vitórias e comemorações, em função do cenário "massacrante" enfrentado pela classe trabalhadora de todo país. “O governo precarizou todas as relações de trabalho e relegou o sindicato ao esquecimento. Colocou-nos em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), ao tirar todas as condições de trabalho da estrutura sindical”, lembrou Calixto.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), o senador Jorge Viana (PT-AC), além do senador Paulo Paim (PT-RS) - que presidiu a sessão - fizeram suas intervenções sempre no sentido de trabalhar por medidas protetivas ao elo mais fraco da cadeia: o trabalhador. “Para o mês do trabalhador, como simbolismo da data comemorativa, queremos qualificar o diálogo diante desta crise de representatividade que passa o Brasil, além de homenagear aqueles que fortalecem e dignificam nossa nação: o trabalhador brasileiro. Esse é o nosso objetivo. Desejamos que a sociedade brasileira, acima de tudo, compreenda a importância da criação do Estatuto do Trabalho”, encerrou Paim.






Ao final da Sessão Solene, José Calixto, presidente da NCST, juntamente com o seu secretári-geral, Moacyr Roberto, protocolaram na CDH documento alusivo à revogação da Lei 13 429/2017, que trata da terceirização; e da Lei nº 13.467 2017, da “reforma trabalhista”. O documento foi recebido pelo senador Paulo Paim, que se comprometeu a dar andamento a solicitação feita pelas entidades alí representadas.


Veja, abaixo, o vídeo da entrega do documento:









Imprensa NCST