Data de publicação: 16 Abr 2018


O Fórum Sindical dos Trabalhadores - FST, que representa Confederações urbanas e rurais, realiza nesta terça (17) o Encontro Preparatório para o Congresso Nacional dos Trabalhadores, que ocorre no mês de agosto, em Praia Grande, Litoral paulista.




O coordenador do FST, Artur Bueno de Camargo, informou à Rádio Web Agência Sindical ( http://www.agenciasindical.com.br/materias.php?cd_secao=59&codant=&friurl=_-Radio-_ ) que cerca de 200 dirigentes, representando 18 Estados, já confirmaram presença. Além de assuntos conjunturais, o evento de amanhã definirá questões operacionais e de infraestrutura para o Congresso.

"A ideia do Encontro é debater a conjuntura nacional e suas consequências na vida dos trabalhadores e do movimento sindical”, adianta. “Após cinco meses da nova lei trabalhista, o resultado é menos empregos formais e mais trabalho precário; menos consumo e mais arrocho salarial; menos crescimento econômico e mais concentração da renda", critica Artur.

Segundo o dirigente do FST, o Congresso de agosto deve reforçar propostas de resistência à nova lei trabalhista, superação das dificuldades cotidianas das entidades e também unificar ações voltadas ao custeio. Artur destaca ainda a importância do debate político: “A situação é muito desfavorável ao trabalhador na Câmara e no Senado. É preciso mudar isso, por meio do voto consciente e classista", diz.

Basta! - Para o coordenador do Fórum, o sindicalismo deve divulgar candidaturas comprometidas com o desenvolvimento nacional. “Estamos apoiando o movimento Basta!, que participará do Encontro. A ideia é montar uma plataforma digital, que vai ajudar na escolha de nomes alinhados às bandeiras populares e trabalhistas", afirma.

Segundo Artur Bueno, o movimento sindical deverá informar às bases o perfil dos candidatos novos ou dos que buscam a reeleição. “O movimento deve lançar candidatos também. Precisamos ocupar mais espaço político", comenta.

Local - O Encontro desta terça, das 10 às 18 horas, será no Leques Brasil Hotel, na Liberdade, região central de São Paulo.




Fonte: Agência Sindical