Data de publicação: 26 Fev 2018



Na última sexta-feira (23), a diretora de Assuntos da Mulher e de Gêneros da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil - CSPB e Conselheira de Saúde do Segmento Usuário - cadeira da Nova Central Sindical de Trabalhadores - NCST -, Kátia Rodrigues, participou de reunião deliberativa do Conselho Estadual de Saúde (CES) do Estado de São Paulo. Na ocasião, os integrantes do conselho reformularam e aprovaram novo Regimento Interno, apreciaram o Relatório do 3º Quadrimestre de 2017 e deliberaram colaborações do conselho paulista à 1ª Conferência Nacional de Vigilância de Saúde - CNVS (saiba mais ( http://cnvs.org.br/index.php/2015-08-25-09-08-54/todas-as-noticias/item/116-conheca-a-programacao-e-os-palestrantes-da-1-cnvs )), em Brasília-DF. A CNVS visa a construção de uma Política Nacional de Vigilância em Saúde com foco na manutenção de direitos conquistados e a defesa de um SUS público e de qualidade para todos.  




“Nessa reunião priorizamos a reformulação do Regimento Interno como forma der dar maior agilidade às ações do Conselho para o próximo biênio. Enxugamos de 96 artigos para 72. Um dos itens que considero de grande relevância é o que determina penalidade ao conselheiro que faltar a três reuniões ordinárias ou extraordinárias pelo período em um ano. Este terá seu mandato cassado, com substituição automática para o suplente. Caso o suplente desista do cargo, a vaga será preenchida pela representação de cada substituto”, relatou Kátia. 




A representante da CSPB e da NCST informou, também, sobre o resgate de uma importante Comissão do CES. “Dentro do Conselho existem 11 Comissões. Hoje incluímos a 12ª que é a Comissão de Saúde da População Negra. Essa Comissão existia há uns anos atrás; no entanto, como as pessoas não participavam, não iam nessas reuniões, a Comissão, então inoperante, foi retirada do Conselho. Resgata-la foi uma grande satisfação para todos nós dada a relevância e impacto social. Hoje participo de duas Comissões dentro do CES: a Comissão Interesetorial de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora; e da Comissão de Políticas de Saúde e Acompanhamento dos Instrumentos de Planejamento do Estado de São Paulo. Assegurar essa cadeira de representação à NCST é um legado que muito me orgulho e de onde, estou certa, viabilizaremos importantes colaborações à saúde pública paulista”, concluiu a conselheira e líder sindical. 





* com informações da Nova Central Sindical de Trabalhadores do Estado de São Paulo - NCST/SP