Data de publicação: 8 Nov 2017




Por Oswaldo Augusto de Barros – CNTEEC



Já se fala em baixar ainda mais o Salário Mínimo Nacional. As contratações abaixo do Salário Mínimo já são divulgadas sem qualquer pudor, caracterizando assim que, em breve o número de trabalhadores sem carteira assinada irá cair significativamente. Segundo “O Globo” ( https://oglobo.globo.com/economia/empresas-ja-oferecem-vagas-pela-nova-clt-22012125 ), já tem multinacional, especializada em venda de óculos, procurando consultor de vendas, “para trabalhar quando quiser ou puder”.

Servidores Públicos não terão reajuste salarial e terão que recolher maior percentual como contribuição previdenciária.

Empresa de Educação Universitária, utilizou propaganda para oferecer formação pedagógica a quem quisesse melhorar sua renda sendo professor. É verdade que o “garoto propaganda” já se desculpou do ocorrido, mas o recado foi dado.

Por mais que procurasse nos jornais de hoje, não vejo nenhum ato de generosidade do Executivo, do Legislativo ou do Judiciário em baixar seus próprios salário ou a transformação de seus contratos de trabalho, para os modernos apresentados pela Lei 13.467/2017 ( http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13467.htm ), na expectativa de termos um Brasil Melhor.

Também não encontrei nenhum Deputado ou Senador que votou favorável à citada Reforma que tenha se indignado que as correções ocorridas, quer do Salário Mínimo como das novas contratações feitas pelo manto da nova Lei, mesmo antes de sua entrada em vigor, que estão precarizando a vida do Trabalhador Brasileiro.

As leis do mercado não seguem as leis feitas na BelaCap.

O Trabalhador com salário de miséria, gastará o suficiente para viver, não o necessário para alimentar a farra dos gastos públicos. Em breve teremos uma nova “Contabilidade Criativa” em ação para cobrir o rombo.

É uma questão de tempo.



Fonte: CNTEEC