Ameaça ao Bolsa Família é mais uma das chantagens do governo para impor reforma

Data de publicação: 12 Abr 2019



Enquanto isso, Jair Bolsonaro pretende perdoar mais de R$ 30 bilhões em dívidas do agronegócio com a União por intermédio do PL 9.252/17, de autoria da bancada do boi




Governo Bolsonaro: sem reajuste para mais pobres, perdão de milhões para o agronegócio



por Cláudia Motta



Enquanto ameaça a sobrevivência de milhões de brasileiros que dependem do programa Bolsa Família, o governo de Jair Bolsonaro pretende perdoar mais de R$ 30 bilhões em dívidas do agronegócio com a União. O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse nesta quinta-feira (11) que não será possível conceder reajuste ao Bolsa Família em função do impacto sobre as contas públicas. E condicionou qualquer eventual aumento à aprovação da "reforma" da Previdência. 

No mesmo dia, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que Bolsonaro decidiu cumprir a promessa de campanha de perdoar dividas bilionárias do agronegócio com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). E pediu que o Projeto de Lei 9.252/17, de autoria do deputado ruralista – da chamada bancada do boi – Jerônimo Goergen (PP-RS), siga em regime de urgência na Casa. Isso significa que a Câmara terá 45 dias para votar ou o texto passará a obstruir a pauta de votação.

O PL concede anistia total às dívidas e tanto a Advocacia-Geral da União (AGU), como a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) e a Receita Federal já alertaram sobre os riscos de o governo ferir a Lei de Responsabilidade Fiscal, que proíbe renúncia de impostos sem receita equivalente para cobrir o rombo.




Logo depois do primeiro turno, em outubro, bancada ruralista foi abraçar Bolsonaro. Agora cobra perdão bilionário



Chantagem econômica



Para a economista Patricia Pelatieri, do Dieese, o que o governo está fazendo é "chantagem econômica". A prática vem sendo utilizada sistematicamente por "analistas" e "colunistas" em telejornais, emissoras de rádio e artigos de jornais. Os "especialistas" costumam dizer que não haverá dinheiro para saúde, educação e segurança se não houver reforma da Previdência.

“O orçamento estimado do Bolsa Família para 2019 é de R$ 30 bilhões. São 14,1 milhões de famílias, com benefício médio de R$ 186,94. Então, um aumento de 10% no valor do benefício dá algo como R$ 263,5 milhões por mês a mais, ou R$ 3,2 bi no ano. Se somado com o 13º em novos valores, dá algo como R$ 6,1 bilhões a mais por ano de gasto”, explica.

“Dizer que isso é um problema fiscal, é duro. Cada R$ 1 real gasto no Bolsa Família, significa retorno de R$ 1,78 no PIB brasileiro e R$ 0,54 em arrecadação de impostos. O país amarga R$ 400 bilhões em sonegação fiscal por ano, em média. O governo quer perdoar dívidas de R$ 30 bi de produtores rurais. E é desse povo pobre que depende do Bolsa Família que o governo quer tirar? Isso não passa de chantagem econômica para fazer a população aceitar a reforma da Previdência”, critica.

O também economista Eduardo Moreira explica que essa chantagem não se justifica. “É impossível que esses recursos da Previdência vão parar na educação, na saúde etc. A Emenda Constitucional 95 faz com que todo excesso de arrecadação vá para o pagamento de juros da dívida”, afirma.

Ex-sócio do banco Pactual, Moreira entende bem os meandros que alimentam o sistema financeiro no Brasil e avisa: o R$ 1 trilhão que se quer gerar em economia via reforma da Previdência vai parar na mão de meia dúzia de banqueiros e grandes investidores que são os detentos da dívida pública brasileira que hoje está em mais de R$ 5 trilhões.

“Esse dinheiro vem da massa de trabalhadores do Brasil que tem como principal fonte de renda um, dois ou três salários mínimos, que é o que o Regime Geral da Previdência Social paga. Então, ninguém está acabando com privilégio nenhum”, afirma. 

“Mesmo a questão dos servidores que ganhavam acima do teto, desde 2013 essa lei já mudou. Esse R$ 1 trilhão que se está querendo arrecadar vem em cima do trabalhador rural, da trabalhadora rural que terá de se aposentar com a mesma idade do homem. Vai vir do BPC, das pessoas que ganham menos de um quarto do salário mínimo por pessoa da família e que hoje com mais de 65 anos de idade têm uma ajuda de custo pra não morrer de fome e vão ter cortado para R$ 600. Economia com vidas que estão sendo ceifadas para poder garantir o pagamento de juros de meia dúzia de brasileiros”, ressalta o ex-banqueiro.




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top