TO: Centrais sindicais se reúnem com Célio Moura em busca de apoio contra 'reforma' da Previdência

Data de publicação: 12 Mar 2019




por Dermival Pereira



Centrais sindicais e seus sindicatos do Tocantins estão reuniram-se na tarde desta segunda-feira, 11, com o deputado federal pelo Tocantins, Célio Moura (PT), para discutir estratégias de mobilização a serem realizadas no Estado contra a "reforma" da Previdência, proposta pelo governo federal. A reunião aconteceu em Palmas, na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Tocantins (Sintet).

Maracaram presença na reunião, a Nova Central Sindical de Trabalhadores no Tocantins (NCST/TO), a Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Força Sindical, Comando Geral dos Trabalhadores Brasileiros (CGTB) e a Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil no Tocantins (CTB).

Falando aos representantes das entidades classistas, o deputado Célio Moura disse já ter uma análise da tramitação da Reforma da Previdência  que começa está semana  com a instalação da comissão especial e que hoje o governo não tem votos para aprovar o texto. “O momento é de mobilização da população e de pressionar o congresso contra as mudanças”, afirma o parlamentar.

Para o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos do Tocantins (Sisepe) e da nova Central Sindical de Trabalhadores no Tocantins, Cleiton Pinheiro, a “reforma da Previdência não vai resolver o problema, ela está apenas buscando resolver problema fiscal do governo”, pontua Pinheiro.


Mobilização


Representantes de várias centrais sindicais do Tocantins definiram em reunião na quinta-feira, 7, agendar  um protesto que será realizado no próximo dia 22, em frente ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), em Palmas.

Na ocasião, o Portal CP ouviu representantes de várias entidades sindicais do Tocantins sobre o assunto. Para o presidente dos Sindicatos dos servidores Públicos do Tocantins (Sisepe), Cleiton Pinheiro, a Reforma da Previdência tem como objetivo apenas resolver problemas de caixa do Governo Federal. “Os trabalhadores são colocados como responsáveis pelo suposto déficit, mas o governo não apresenta nenhuma medida para cobrar os grandes devedores do sistema”, afirma Pinheiro ressaltando que “a reforma precisa garantir aposentadoria digna para quem trabalhou durante toda a vida e que ao final da sua vida produtiva – depois de ter contribuído para o desenvolvimento do País – não pode ser descartado como uma mercadoria inservível”, afirma.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores, no Tocantins (UGT-TO), Marco Gomes falou sobre a importância dos trabalhadores participarem do evento. “A UGT-TO irá se unir às demais Centrais Sindicais no próximo dia 22 de março para demonstrar sua insatisfação quanto à PEC 06/2019 (Reforma da Previdência). É importante que o trabalhador se faça presente para mostra que está unido às Centrais no combate à está Reforma da Previdência que claramente retira direitos dos trabalhadores. A UGT-TO não irá se calar diante dessa perversidade proposta pelo governo”, pontua.

O presidente do Sindicato dos profissionais da Enfermagem no Estado do Tocantins (Seet), Claudean Lima Pereira, disse que “nesse momento em que a classe trabalhadora está extremamente ameaçada de seus direitos as centrais sindicais se juntam com a finalidade de provocar o trabalhador para juntos fazermos a defesa dos nossos direitos já existentes, o momento é extremamente delicado não só para o trabalhador, mas também para as entidades representativas, então nada mais pertinente do que nos unirmos em busca dos direitos já existentes”, explica.

Já o presidente da Central do Servidor Público no Tocantins, Carlos Campos, lembrou que “as centrais sindicais a nível de Brasil e no Tocantins estão juntamente com seus  sindicatos filiados unidas na missão de esclarecer à classe trabalhadora e  a sociedade em geral sobre o grande equivoco que é a reforma de previdência uma vez que está demonstrado por várias entidades de renome em âmbito federal que a previdência social não é deficitária”, critica.

De acordo com o sindicalista, “o Senado Federal também instalou em 2017 uma CPI que também apurou que não há prejuízo financeiro, o que se observa é uma propaganda enganosa por parte do Governo Federal e seus aliados para convencer a sociedade do contrário”, destaca, afirmando que “essa reforma se aprovada, será altamente danosa aos brasileiros e os únicos que vão lucrar com ela será o sistema financeiro, pois se caminha para a privatização da previdência e também para o aumento incalculável pela procura aos planos de previdência complementar”.





Fonte: Portal de Notícias Cleiton Pinheiro


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top