Déficit habitacional bate recorde e movimentos veem futuro com preocupação

Data de publicação: 11 Jan 2019


FGV aponta que o número cresceu 7%, entre 2007 e 2017, e agora é de 7,78 milhões moradias. Para Benedito Barbosa, governo Bolsonaro não sinaliza para uma melhoria.



Os dados também confirmam que há problemas nos programas de saneamento e de urbanização de favelas


O Brasil bateu o recorde de déficit habitacional, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc) em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV). De acordo com os dados, o número cresceu 7%, entre 2007 e 2017, e agora é de 7,78 milhões de moradias. A situação é preocupante e não há uma perspectiva positiva para o futuro próximo.

A avaliação é de Benedito Barbosa, o Dito, advogado do Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos e um dos coordenadores da União dos Movimentos de Moradia. Ele explica que a redução do crédito para financiamento, o desemprego em alta e a queda na renda das famílias são responsáveis por isso. "Desde 2014, a gente sofre com cortes maiores nos recursos do Minha Casa Minha Vida, principalmente na faixa 1, que atende a famílias de baixa renda. O aumento do desemprego e da miséria também impacta nisso", lamenta.

déficit habitacional do Brasil, que já era considerado elevado, aumentou em mais de 220 mil imóveis entre 2015 e 2017. Outro elemento desse resultado é o custo dos aluguéis, explica Benedito. "A especulação imobiliária tem impacto direto. O custo médio do aluguel em São Paulo é altíssimo, dependendo da região ultrapassa os mil reais, o que prejudica uma família de baixa renda", critica.

Os movimentos de moradia acreditam que o cenário com o presidente Jair Bolsonaro é de incerteza. "Na primeira semana dele, já indica que as áreas sociais sofrerão com cortes, então o impacto para o trabalhador é grande. Isso é grave e aumenta a preocupação dos movimentos sociais", observa Barbosa.

Para o ativista, os dados também confirmam que há problemas nos programas de saneamento e de urbanização de favelas, como a falta de garantia de títulos da terra. De acordo com ele, os programas de urbanização de favelas foram paralisados, enquanto o país vive num processo de 'favelização' por conta do déficit.

Desde a gestão de Michel Temer a privatização dos bancos públicos está na pauta do governo federal. O ministro de Economia, Paulo Guedes, já demonstrou interesse em aproximar o modelo de gestão ao que se faz na iniciativa privada. "Nós vamos ter que lutar demais e nos organizar mais para resistir, porque os recursos dos programas sociais estão depositados na Caixa Econômica para serem destinados às famílias de baixa renda", afirma o líder do movimento.


Ouça a entrevista, na edição da tarde do Jornal Brasil Atual, a partir do minuto 8:45: 


 





Fonte: Rede Brasil Atual - RBA

 


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top