Deputados aprovam reforma tributária, mas texto não pode ser votado enquanto houver intervenção

Data de publicação: 12 Dez 2018


Comissão determinou criação de imposto único, que substitui outros oito; reorganização tributária entre entes da federação e modelo de transição.



A comissão especial da Câmara que analisa a reforma tributária aprovou nesta terça-feira (11) a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 293/04, que propõe uma reorganização nos impostos nos níveis municipal, estadual e federal. O texto segue para apreciação em plenário, mas, por se tratar de emenda à Constituição, só pode ser votado após o fim das intervenções federais em Roraima e no Rio de Janeiro.

O deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR), que é relator da matéria desde 2017, apresentou o parecer favorável há duas semanas. “É um grande avanço, uma consagração de um trabalho de muitos anos do Congresso Nacional. É crescimento sustentável, o Brasil vai crescer igual a China e com inclusão social, porque vai diminuir os impostos para os mais pobres”, comemora.

Ele afirma que, a médio e longo prazo, os impostos sobre itens como remédios e transporte público terão drástica redução, podendo até mesmo serem isentos. "Nós temos três vezes mais carga nas mercadorias do que nos Estados Unidos. Isso acaba aumentando o o preço ao consumidor final, que é mais penalizado se for mais pobre", explica.

Com a reforma tributária, haverá criação e extinção de tributos e redistribuição das competências entre municípios, estados e União. Como este site mostrou em fevereiro (veja o vídeo), Hauly concebeu o projeto de formar a estabelecer a criação do tributo estadual Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS), que substituirá nove outros tributos, como ICMS, Cofins, IOF, Pis e Pasep. O IPVA será mantido e cobrado também para veículos aquáticos e aéreos.

Os municípios ficam com a arrecadação do IPTU, ITBI e impostos sobre iluminação pública. Já a União será responsável pelo Imposto de Renda, contribuição previdenciária, ITR e ITCMD.

Outro ponto positivo seria o fim da guerra fiscal entre os estados, já que o texto estabelece um modelo tributário único. Haverá um período de transição de quinze anos, dividido em três fases, em que os novos impostos vão substituindo os antigos gradativamente.





Fonte: Congresso em Foco
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top