Mapa da desigualdade mostra abismo social na cidade mais rica do país

Data de publicação: 3 Dez 2018

Negros, pobres e moradores de periferia têm menos acesso a emprego, renda, saúde e educação em São Paulo.



Na Barra Funda, existem seis vagas de emprego formal por morador; em Cidade Tiradentes, são 50 pessoas para uma vaga / Coletivo Rua



por Juca Guimarães
edição de Daniel Giovanaz




Com 12,2 milhões de habitantes em mais de 1,5 mil km², a cidade de São Paulo tem as proporções e problemas de um país. O mapa da desigualdade da Rede Nossa São Paulo, lançado nesta quarta-feira (28), ilustra em números o abismo que divide os moradores dos 95 bairros da capital.

São 56 indicadores, que traduzem a desigualdade com base nos indicadores raça, trabalho renda e condições de moradia. A pesquisa também deixa claro que faltam equipamentos públicos de saúde, educação e lazer na periferia.

“A partir desses dados, nós formamos, com organizações da sociedade civil, coalizões para construir políticas públicas. E, efetivamente, trabalhar pressionando a Prefeitura e a Câmara de Vereadores no bom sentido, de construção de políticas que reduzam a desigualdade”, afirma Jorge Abrahão, coordenador da Rede Nossa São Paulo.  

A capital paulista reflete o aumento da desigualdade no país. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), o Brasil passou a ocupar a 9ª pior posição em 2018, em termos de desigualdade de renda, em um conjunto de 189 países. No ano anterior, o país estava em 10º lugar, de acordo com o relatório de desigualdade da Oxfam Brasil, também lançado nesta semana.

A análise cruzada dos dados de raça, renda e vagas formais de emprego revela que a maioria dos moradores negros – que nas periferias representam entre 46% e 60% da população, e entre 1% e 15% nos bairros do centro – convivem com a falta de vagas em creches, com a ausência de equipamentos públicos de cultura, com maiores taxas de gravidez na adolescência, falta de leitos hospitalares e maior concentração de favelas.

O tempo de espera por uma vaga em creche pública, por exemplo, demora 8 dias no distrito da República, no Centro, e 411 dias, na Pedreira, no extremo Sul da cidade.

A chance de trabalhar perto de casa também é um dos indicadores da desigualdade. Enquanto que, na Barra Funda, zona Oeste, existem seis vagas de emprego formal no distrito por morador, em Cidade Tiradentes, na zona Leste, o índice é de 0,02 vagas. Ou seja, cada vaga de emprego formal é disputada por 50 moradores. 

De acordo com a pesquisadora socioterritorial, Dirce Koga, coautora do Mapa da Exclusão e Inclusão Social de São Paulo (MEIS), coordenado pela professora Aldaíza Sposati e realizado pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (INPE), 87% da população da cidade vive em um "território de exclusão". Isso significa que essa parcela está excluída ou tem extrema dificuldade de acesso a direitos previstos pela Constituição Federal.

Para Semayat Oliveira, jornalista e coordenadora da comunicação do projeto Usinas de Valores, do Instituto Vladmir Herzog, a questão racial está no centro dos fatores que mantém a desigualdade estrutural da cidade. 

“A base racial é essencial, estruturante e sistêmica para que se mantenha esse ciclo racial, desigual e de privilégio branco", analisa. 

A coordenadora afirma ainda que é preciso lutar para manter os avanços de igualdade conquistados nos últimos anos, apesar dos discursos autoritários do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).




Fonte: Brasil de Fato


 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top