Ativismo pró-empresa põe em risco fiscalização do trabalho sob Bolsonaro

Data de publicação: 7 Nov 2018

Fiscalização do Ministério do Trabalho resgata trabalhadores em situação análoga à de escravo no Pará



por Leonardo Sakamoto



Ao nomear o juiz federal Sérgio Moro como xerife, Jair Bolsonaro diz que seu governo vai aumentar a fiscalização contra a corrupção. Ao mesmo tempo, vem criticando a fiscalização tanto de crimes ambientais quanto aquelas que identificam violações a direitos trabalhistas, demanda de empresários que apoiaram sua campanha.

O presidente eleito defendeu, durante o período eleitoral, a necessidade de combater o ''ativismo''. Na maioria das vezes em que empregou esse termo, não se referiu à atuação de organizações da sociedade civil, mas do que ele vê como ''militância'' de setores do funcionalismo público em prol de determinadas pautas, o que – em sua opinião – causaria problemas ao setor produtivo.

Por exemplo, o absurdo de fiscais do Ibama multarem quem desmatou sem autorização e além do limite permitido. Ou ainda o disparate de auditores fiscais do trabalho resgatarem pessoas escravizadas. Ou ainda a inimaginável atuação da Funai, ao defender o direito de povos indígenas, muitos dos quais vivendo na miséria, a seus territórios.

Diante disso, é grande a expectativa sobre o que ele pretende fazer não apenas com as áreas responsáveis pela fiscalização na Esplanada dos Ministérios, mas também com as normas regulamentadoras e instruções normativas, que guiam a fiscalização e podem ser alteradas sem passar pelo Congresso Nacional.

Essa foi a razão do bafafá sobre o ministério da Agricultura e Pecuária ter engolido o ministério do Meio Ambiente. Por conta da pressão social (inclusive de agricultores que estão no século 21 e não em 1968 e entendem o tamanho do problema que isso causaria à imagem de nossos produtos no exterior), o MMA foi devolvido. Por enquanto.

A expectativa é a mesma sobre a autonomia da fiscalização do trabalho. O novo governo vai garantir apoio e recursos para que essa área continue verificando as condições de saúde, segurança e dignidade dos trabalhadores ou ela será desidratada para atender às demandas por ''flexibilização'' de setores econômicos e empresários que apoiaram sua candidatura vencedora?

Durante a campanha, Bolsonaro criticou o enfrentamento ao trabalho escravo, citando dados equivocados sobre a fiscalização. Disse que qualquer irregularidade trabalhista configura o crime e não a omissão do empregador em garantir um mínimo de dignidade, citando o caso de uma mulher grávida que, exposta à aplicação de agrotóxico, teria sido considerada como submetida à escravidão. O que não procede. De acordo com a área de fiscalização do Ministério do Trabalho, um caso como esse não configura esse crime.

Com a perda do ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços no braço de ferro com o novo czar da Economia, Paulo Guedes, organizações setoriais que ficaram órfãs solicitaram à equipe de Bolsonaro que lhes entregue o ministro do Trabalho, convertido em uma pasta de Produção, Trabalho e Comércio. Claro que seu comando não ficaria na mão de um representante de trabalhadores – a menos que fosse pelego.

Entregar a chefia da fiscalização a um ministério com esse viés será o réquiem dos direitos trabalhistas no Brasil. Uma das primeiras medidas tomadas, aliás, seria a instalação da instância superiora de recursos de autos de infração com a presença de representantes empresariais, governamentais e de trabalhadores. Ou seja, o resultado tenderia a ser um eterno 2 a 1 contra os trabalhadores. Fiscalizações de trabalho escravo ou infantil, por exemplo, seriam derrubadas e empresas nunca teriam punição.

Em tese, o respeito ao contrato de trabalho estabelecido entre patrões e empregados é uma das bases do capitalismo. Mas, no Brasil, estufa-se o peito e enche-se a boca para defender liberalismo econômico quando, no íntimo, sonha-se com um estado autoritário que ofereça subsídios e mantenha o mercado de trabalho no cabresto, fazendo desaparecer reclamações de trabalhadores. Como era há 100 anos, quando a questão trabalhista era caso de polícia.

Vale lembrar que a fiscalização não objetiva apenas garantir direitos a quem está vivendo à margem da legislação, mas também aumentar a arrecadação do Estado, pois leva ao pagamento de tributos e contribuições sociais e previdenciárias. Em momentos de crise de orçamento, portanto, reduzir o poder arrecadatório é um contrassenso.

Em sabatina a industriais em julho, Bolsonaro afirmou que ''o trabalhador vai ter que decidir se quer menos direitos e emprego ou todos os direitos e desemprego''. A depender de suas decisões sobre a fiscalização, o trabalhador nem precisará chegar nesse dilema porque saberá que não vai ter quem zele por sua qualidade de vida. O que indica que a prática de ''ativismo'' não vem de quem fiscaliza, mas de quem impede que isso aconteça.


* Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e o desrespeito aos direitos humanos no Brasil. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil e conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão.




Fonte: Blog do Sakamoto - Portal UOL Notícias

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top