Sindicalismo reage ao ataque do general Mourão a direitos trabalhistas

Data de publicação: 1 Out 2018


Oito Centrais Sindicais divulgaram na noite da quinta (27/09) uma nota unitária, repudiando a declaração do candidato a vice-presidente de Jair Bolsonaro (PSL), general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), de que o 13º salário é “uma jabuticaba” e que não deveria existir.

O documento é assinado por dirigentes da CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central, CSB, Intersindical e CSP-Conlutas.

A fala de Mourão ocorreu em palestra na quarta (26/09) a dirigentes lojistas de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul. O general afirmou que o 13º salário e o adicional de férias são "jabuticabas" – que existem exclusivamente no Brasil – e pesam como "uma mochila nas costas de todo empresário".


Leia a íntegra


NOTA UNITÁRIA DAS CENTRAIS SINDICAIS

Em defesa do 13º salário, adicional de férias e dos direitos trabalhistas

A fala do general Mourão contra direitos trabalhistas revela o que está por traz da candidatura de Bolsonaro: uma candidatura antissocial que deve ser repudiada por toda a classe trabalhadora brasileira!

Consideramos descabida, ofensiva e lamentável a afirmação que o candidato a vice-presidente da República na chapa de Jair Bolsonaro (PSL), o general da reserva Hamílton Mourão (PRTB), fez nesta 4ª feira, 26, para empresários e representantes de associações e sindicatos patronais, em Uruguaiana, RS, sobre o 13º salário e o adicional de férias.

Segundo ele: “Se a gente (sic) arrecada 12, como vamos pagar 13 (salários)?”. E ainda: “É complicado e é o único lugar (o Brasil) em que a pessoa entra em férias e ganha mais”.

Tais direitos, desdenhados por ele, foram conquistados após árduas batalhas travadas e constam nos direitos constitucionais. Ao contrário do que disse Mourão, direitos trabalhistas, como o 13° salário, geram empregos e movem a economia justamente porque nela inserem os trabalhadores.

Vamos entregar o controle do nosso País a pessoas com esse tipo de pensamento? Não foi para isto que os trabalhadores e as trabalhadoras lutaram tanto!

Não podemos aceitar, em hipótese alguma, a retirada dos nossos direitos, nem posicionamentos que diminuam o valor do nosso trabalho e que visam aprofundar a desigualdade social.

Vagner Freitas - Presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT)
Miguel Torres - Presidente da Força Sindical 
Ricardo Patah - Presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT)
Adilson Araújo - Presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)
José Avelino (Chinelo) - Presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB)
José Calixto Ramos - Presidente da Nova Central Sindical dos Trabalhadores (NCST)
Edson Índio - Secretário-geral da Intersindical
Atnagoras Lopes - Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas





Fonte: Agência Sindical

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top