É preciso dar fim à política de privatizações, diz economista

Data de publicação: 9 Ago 2018

A economia só voltará a crescer quando o Estado brasileiro recuperar a sua capacidade de investimentos. A avaliação é do economista Marco Antonio Rocha, professor da Unicamp. Para ele, é necessário “dar fim à política de privatizações” e revogar o teto de gastos.





"Nosso diagnóstico pós-crise é de que o dinamismo só vai se recuperar com a intervenção do Estado, com capacidade de fazer investimento público", disse em sabatina do Estado de S. Paulo em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV). 

Segundo Rocha, um plano emergencial factível tem de ser pensado não apenas para solucionar a questão de emprego e renda a curto prazo, mas também “precisa ser estruturante, para um médio e longo prazo."

Crítico da política de austeridade fiscal que passou a ser implementada a partir de 2015 e aprofundou-se nas gestões Michel Temer, ele defendeu que o Estado precisa recuperar seus mecanismos de intervenção na economia, referindo-se às empresas estatais e aos bancos públicos, que estão na berlinda no atual governo.

"Entendo que o momento é mais favorável ao uso de bancos públicos, uma vez que há a necessidade de o Estado voltar a investir para alcançarmos a recuperação econômica", afirmou. Na sua avaliação, o BNDES é um instrumento fundamental para impulsionar o crescimento econômico e a produtividade da economia brasileira.

Ele afirmou ainda que o BNDES pode focar no investimento de empresas de alta tecnologia. "O BNDES tem uma certa cara de segunda revolução industrial, voltado para indústria. Precisamos mudar o paradigma tecnológico, focar o BNDES na indústria 4.0", disse.

O economista defendeu ainda que o regime fiscal tem que ser “menos fiscalista” e “dar mais abrigo” a uma política de desenvolvimento. “Queremos colocar uma política que permita ao Estado atuar de forma contracíclica contra a crise, com capacidade se investimento a longo prazo. Passar para um planejamento orçamentário plurianual, e não mirando metas de superávit". 

Rocha também apontou a necessidade de revogar a emenda constitucional 95, que implementou o teto de gastos. “Isso será uma questão de governabilidade para qualquer governo eleito para o ano que vem”. 

Ele advogou também por uma reforma tributária progressiva, com diminuição de impostos sobre consumo e aumento da carga sobre patrimônio e renda. 

De acordo com o economista, o Banco Central deveria trabalhar não só para controlar a inflação, mas também para também responder pelo emprego. Ele criticou ainda a forma como são escolhidos os presidentes do BC.

"Atualmente, acontece no Brasil o que chamamos de 'porta giratória', ou seja, o executivo sai de um grande banco e já vai para o BC. Acreditamos que, assim como é preciso passar pela sabatina no Congresso, é necessário impor uma quarentena". 





Fonte: Portal Vermelho

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top