NCST celebra 12º aniversário da Lei Maria da Penha

Data de publicação: 7 Ago 2018



A Nova Central Sindical de Trabalhadores – NCST celebra, nesta terça-feira (07/08), o 12º aniversário da Lei Maria da Penha. Legislação que aumentou rigor das punições para crimes domésticos de violência contra a mulher representa marco histórico na luta por melhores condições de vida e redução das persistentes desigualdades de gênero.




Sônia Zerino, Diretora de Assuntos da Mulher da NCST



“O reconhecimento do grande avanço da legislação brasileira – por meio da regulamentação da Lei Maria da Penha - no tocante à proteção das mulheres vítimas de violência doméstica, é a constatação de que o Estado precisa intervir no nosso persistente atraso cultural. Todos os anos, o Brasil supera seus próprios recordes internacionais em crimes enquadrados como feminicídio. A objetificação, a insensibilidade e a naturalização dos diversos tipos de violência que acometem nossas irmãs brasileiras, costumam se intensificar em períodos como os de hoje, onde a banalização do ódio atinge, sobretudo, os grupos socialmente identificados como minoria. Celebrar conquistas duramente alcançadas por meio do esforço coletivo de um incontável número de mulheres é o combustível que fortalece nossa luta por um país fraterno e justo, onde mulheres e homens possam viver em paz e harmonia”, reforçou a Diretora de Assuntos da Mulher da NCST, Sônia Maria Zerino Silva.

Formulada sob a perspectiva feminista, a  lei 11.340/06, conhecida como Lei Maria da Penha, foi pioneira no Brasil em demarcar o caráter específico da violência de gênero, explicitando a desigualdade entre homens e mulheres como o grande motivador do problema. O marco vem modificando a compreensão da violência contra as mulheres, desnaturalizando a violência como parte das relações familiares e de intimidade.

Pode-se dizer que a legislação é uma “homenagem” à Maria da Penha Maia Fernandes, que foi vítima de violência doméstica durante 23 anos de casamento. O autor, seu marido, tentou assassiná-la por duas vezes: a primeira vez, com uma arma, resultou para ela uma paraplegia; a segunda, eletrocussão e afogamento, fez que com que a vítima tomasse coragem e apresentasse a denúncia. O julgamento demorou 19 anos, o agressor ficou apenas 2 anos preso. 
 

Dados estatísticos de violência contra a mulher no Brasil 

 
- 48% das mulheres agredidas declaram que a violência aconteceu em sua própria residência; no caso dos homens, apenas 14% foram agredidos no interior de suas casas (PNAD/IBGE, 2009).

- 3 em cada 5 mulheres jovens já sofreram violência em relacionamentos, aponta pesquisa realizada pelo Instituto Avon em parceria com o Data Popular (nov/2014).

- 56% dos homens admitem que já cometeram algumas dessas formas de agressão: xingou, empurrou, agrediu com palavras, deu tapa, deu soco, impediu de sair de casa, obrigou a fazer sexo (Data Popular/Instituto Avon 2013).

-77% das mulheres que relatam viver em situação de violência sofrem agressões semanal ou diariamente. Em mais de 80% dos casos, a violência foi cometida por homens com quem as vítimas têm ou tiveram algum vínculo afetivo (Balanço do Ligue 180 – Central de Atendimento à Mulher, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República - SPM-PR). 
 

Avanços resultantes da Lei Maria da Penha
 

- Determina que a violência doméstica contra a mulher independe de orientação sexual;

- Retira dos Juizados Especiais a competência para julgar os crimes de violência doméstica e familiar contra a mulher;

- Proíbe a aplicação de penas pecuniárias;

- Proíbe que a mulher entregue a intimação ao agressor;

- Possibilita a prisão em flagrante e a prisão preventiva do agressor, a depender dos riscos que a mulher corre;

- A mulher passa a ser notificada dos atos processuais, especialmente quanto ao ingresso e saída da prisão do agressor, e passa a ser acompanhada por advogado, ou defensor, em todos os atos processuais;

- Permite ao Juiz determinar o comparecimento obrigatório do agressor a programas de recuperação e reeducação.
 
 



Imprensa NCST
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top