RS: Entidades culturais se posicionam contra projeto de Marchezan que pode extinguir Fundos Culturais

Data de publicao: 3 Jul 2018

Da esquerda para a direita: Silfarnei Alves e Patrick Acosta, representantes do SINDIMUS; Fábio da Cunha, representante do SATED/RS; Christian David, representante da AGES, Cristiane Reque e Daniela Israel, representantes do SIAV/RS, e Pedro Guindani, presidente da APTC/RS. Foto de Karine Emerich.



Está prevista para a próxima quarta-feira (4) a votação do projeto do governo Nelson Marchezan Jr. (PSDB), a qual altera o regramento dos fundos públicos municipais. Se aprovado, poderá colocar em risco a continuidade do Fumproarte (Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural) e do Funcultura (Fundo Pró-Cultura) – ações de apoio municipal à produção artística local. O projeto tramita em regime de urgência na Câmara, a pedido de Marchezan. No texto do Executivo, afirma-se que ele “dispõe sobre diretrizes para a criação e a extinção de fundos públicos, e novas regras para movimentação financeira dos atuais fundos, criação do Fundo de Reforma e Desenvolvimento Municipal, autoriza o Poder Executivo a reverter os saldos financeiros dos fundos ativos e extintos ao Tesouro Municipal”.

Por conta disso, integrantes de entidades representativas da área cultural do Estado ocuparão as galerias do Plenário Otávio Rocha durante a sessão da Câmara Municipal de Porto Alegre. O movimento é liderado em conjunto por cinco sindicatos e associações. São eles: o Sindicato da Indústria Audiovisual do RS (SIAV/RS), o Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado (SATED/RS), o Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado (SINDIMUS/RS), a Associação Gaúcha de Escritores (AGES) e a Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos do RS (APTC).

Através de nota enviada à imprensa, o movimento convoca a população a se somar na quarta-feira, para “se manifestar contrariamente ao projeto de desmantelamento da área cultural em Porto Alegre empreendido pelo prefeito Marchezan”.

“Se aprovada a proposta do governo Marchezan, o Executivo municipal poderá, ao final de cada ano, reverter até 90% dos recursos não utilizados de cada fundo público municipal (exceto os recursos oriundos do governo federal ou estadual e doações)”, escrevem. Atualmente, tanto o Fumproarte quanto o Funcultura preservam regime especial de gestão, além normas próprias de aplicação. Se provado, o projeto poderia “drenar” os recursos destinados para a cultura para outros fundos.

As entidades culturais também alertam para a possibilidade de completa extinção dos fundos culturais. “Serão extintos, mediante Lei, os fundos públicos municipais que não forem devidamente implementados em até três anos após a sua criação ou que não possuírem movimentação financeira por três exercícios financeiros consecutivos”. Logo, segundo as novas regras do Executivo, basta que o próprio prefeito se mantenha determinado a não injetar recursos neles para que se comprove o pré-requisito de extinção. “Como tem ocorrido”, pontuam as entidades signatárias.


Confira a lista de outros fundos que poderão ser afetados pelo projeto de Marchezan: 


- Fumproarte (Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural)
- Funcultura (Fundo Pró-Cultura),
- Fundo Municipal de Desenvolvimento Desportivo
- Fundo Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (Fumpahc)
- Fundo Municipal para Restauração, Reforma, Manutenção e Animação do Mercado Público (Funmercado)
- Fundo Pró-defesa do Meio Ambiente de Porto Alegre (Pró-Ambiente)
- Fundo Municipal de Fomento ao Turismo
- Fundo Municipal de Reaparelhamento do Corpo de Bombeiros (Fumrebom)
- Fundo Municipal de Iluminação Pública (Fumip)
- Fundo Municipal dos Direitos Difusos (FMDD)
- Fundo Municipal de Incentivo à Reciclagem e à Inserção Produtiva de Catadores
- Fundo Especial Pró-mobilidade (Funpromob)
- Fundo Municipal dos Direitos dos Animais (FMDA)
- Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social (FMHIS)
- Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS)
- Fundo Municipal de Inovação e Tecnologia (FIT/POA)
- Fundo Municipal de Apoio a Implantação do Sistema Cicloviário (FMASC)
- Fundo Municipal do Planejamento Urbano (FMPU)
- Fundo do Conselho Municipal Sobre Drogas (FunComad)



O projeto também propõe a extinção imediata do Fundo Municipal de Compras Coletivas (Funcompras) e do Fundo Monumenta Porto Alegre, cujos recursos disponíveis nas instituições bancárias, segundo o prefeito, “poderão ser prontamente transferidos ao Fundo de Reforma e Desenvolvimento Municipal”.





Fonte: Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Educação e Cultura - CNTEEC 
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top