SP: Justiça impõe nova derrota à Nestlé no caso do financiamento sindical

Data de publicação: 13 Jun 2018



A Justiça Trabalhista, por mais uma vez, está obrigando a Nestlé de Cordeirópolis a respeitar a assembleia dos trabalhadores, que definiu o recolhimento coletivo da Contribuição Sindical. O TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 15ª Região (Campinas) negou em maio um recurso da empresa, contra liminar obtida pelo Stial (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Limeira e Região).

Em sua sentença, o desembargador Luis Henrique Rafael mencionou o caráter irregular do fim da obrigatoriedade da cobrança. “Não se verifica qualquer abuso de poder ou ilegalidade, tampouco a violação a direito da autoridade coautora”, citou, a respeito da liminar obtida pelo sindicato, que havia sido concedida pela juíza Karine Vaz de Mattos. Ele também abordou o caráter tributário da contribuição.

“A aprovação do fim da obrigatoriedade por meio de lei ordinária (deveria ser complementar) justifica a medida liminar, enquanto o mérito é debatido”, comentou a advogada do Stial, Yoko Taira. Ela destacou trecho da decisão do desembargador, que aponta perigo à sustentabilidade do sindicato, na função de defesa trabalhista dos empregados.

Ainda na sentença, o magistrado citou análise do procurador do Trabalho, Guilherme Duarte da Conceição, que discorreu sobre o caso: “os valores serão revertidos para a defesa dos interesses da categoria, em momento crucial decorrente da Reforma Trabalhista, que enseja ampla atuação da entidade sindical, principalmente na negociação coletiva que é de interesse de toda a categoria, inclusive dos não associados”.


QUEDA DE BRAÇO


A Nestlé sustenta seu empenho em desrespeitar a decisão coletiva dos trabalhadores, no contexto da Reforma Trabalhista. “A tática é clara. Ao obrigar o trabalhador a decidir individualmente, provoca o medo nos empregados de uma possível demissão. Ao afastá-los do sindicato, busca destruir a entidade, para poder retirar direitos garantidos na negociação coletiva”, apontou o presidente do Stial, Artur Bueno Júnior.

As sucessivas vitórias sindicais, para ele, estão criando uma jurisprudência contra este, que é apenas mais um dos pontos questionáveis da Reforma Trabalhista. “O Tribunal foi bastante feliz ao reconhecer que, neste momento da história do país, o trabalhador não pode ficar sem seu sindicato forte e atuante”, apontou.

Ele lembrou que o país está na lista suja da OIT (Organização Internacional do Trabalho), exatamente por conta da Reforma Trabalhista. A entidade internacional citou a adoção do negociado sobre o legislado sem garantia de direitos, e está cobrando explicações do governo brasileiro. “O ministro do Trabalho foi humilhado na sede da OIT, e o país corre risco de ter seu comércio internacional prejudicado pela acusação de dumping social. É lastimável”, apontou Júnior.




Fonte: Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Limeira e Região - Stial, entidade filiada à NCST
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top