Datafolha: 68% são contra a atual política de preços da Petrobras

Data de publicação: 11 Jun 2018

Maioria da população defende controle de valores de combustíveis mesmo que cause prejuízo à estatal



Parente pediu demissão da Petrobras após pressões pela mudança na política de preços



Uma pesquisa Datafolha realizada após a greve dos caminhoneiros mostra que 68% da população se opõe à atual política de preços da Petrobras, que reajusta os valores conforme as variações dos combustíveis no mercado externo. 

O aumento dos combustíveis como diesel e gasolina nos últimos meses levou a pressões da classe política e de sindicatos contra Pedro Parente, que deixou o comando da Petrobras no início de junho. Em seu lugar, assumiu Ivan Monteiro, ex-diretor financeiro da estatal.

Segundo o Datafolha, o contingente de 68% defende que o governo deve controlar a estatal e baixar os preços dos combustíveis e do gás, "mesmo que possa ter prejuízo". Outros 26% acham que a Petrobras deve ser gerida como uma empresa de mercado, livre para definir o preço dos seus produtos e buscar lucro. 

Embora os caminhoneiros em greve não pedissem a saída de Parente, o diagnóstico de que a crise foi ocasionada pela política de preços da Petrobras ganhou força ao longo da paralisação. Deflagrada em 1º de julho, a greve de advertência dos petroleiros mirou em Parente, mas foi declarada ilegal pelo Tribunal Superior do Trabalho por ter "cunho político"

Em julho de 2017, a Petrobras passou a reajustar os preços diariamente. A política levou a empresa a registrar lucro líquido de 7 bilhões de reais no primeiro trimestre de 2018. Desde aquela data, o diesel subiu de 3 para 3,63 reais, a gasolina saltou de 3,66 para 4,31 reais, e o gás de cozinha foi de 55 a 67 reais. 

Em meio à greve dos caminhoneiros, Parente recuou parcialmente da política de preços, ao conceder um desconto temporário no diesel e passar a reajustar os preços mensalmente, e não mais diariamente. 

Além de apontar a Petrobras como responsável pelo caos, a maioria dos entrevistados avalia que a paralisação trouxe mais prejuízos que benefícios ao País. Sete em cada 10 brasileiros interpretam o movimento grevista dessa forma.






Fonte: CartaCapital 

 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top