OIT: NCST protocola denúncia por descumprimento das Convenções 151 e 98 no âmbito do Judiciário brasileiro

Data de publicação: 6 Jun 2018



Na ocasião da 107º Conferência Internacional da Organização Internacional do Trabalho (OIT), representantes da Nova Central Sindical de Trabalhadores - NCST e da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil – CSPB protocolaram, junto ao Comitê de Liberdade Sindical da organização, nesta quarta-feira (06), nova denúncia por descumprimento das Convenções 151 e 98. O Tribunal de Justiça do Maranhão - TJMA foi formalmente denunciado por práticas antissindicais; por desrespeitar a negociação coletiva e preceitos fundamentais no que se refere à equidade de reposição salarial entre os membros do tribunal e seus servidores, um mal exemplo que se repete em outros tribunais brasileiros. O documento, elaborado pelo Sindicato dos Servidores do Judiciário do Maranhão – Sindjus/MA; conta com o respaldo da Internacional dos Serviços Públicos – ISP; da Confederação Latinoamericana de Trabalhadores Estatais – CLATE; e da Federação Nacional dos Servidores do Judiciário nos Estados – Fenajud.






Para o Presidente do Sindjus-MA e também diretor da CSPB, Aníbal Lins, a decisão das organizações sindicais de buscarem juntas a proteção dos organismos internacionais de vigilância dos direitos humanos e liberdade sindical é decorrente de várias tentativas do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) de deslegitimar o Sindjus-MA como entidade de classe responsável pela defesa dos interesses dos servidores do Poder Judiciário no Estado. “Isso é ainda mais grave quando se verifica que o ataque aos direitos dos trabalhadores veio da parte do ente público empregador que, pelo contrário, deveria ser o primeiro a respeitar essas prerrogativas por coerência, e com impessoalidade”, afirmou.

O documento da denúncia dispõe de versões em português e francês e possui 1.650 páginas nas quais estão colecionadas provas objetivas de práticas antissindicais percebidas ao longo de anos, como a atribuição sistemática de ilegalidade aos movimentos grevistas dos servidores da Justiça, a imposição de multas desproporcionais ao Sindjus-MA; negativas de diálogo e de conciliação por parte da administração, e até mesmo a tentativa de ignorar a condição legal e legítima do Sindicato para representar os servidores nas negociações coletivas das pautas gerais e específicas de interesse da categoria.






Conforme a petição inicial, que possui dez páginas, o TJMA vem descumprindo convenções e recomendações da OIT, especificamente, a Convenção 151, com a respectiva Recomendação 59, e a Convenção 98. As duas convenções, e também a recomendação, estão em plena vigor no Brasil.

A Convenção 151 é relativa ao Direito de Sindicalização e Relações de Trabalho na Administração Pública, inclusive ao direto de negociação coletiva. A Convenção 151 foi aprovada e regulamentada por meio do Decreto Legislativo nº 206, de 2010, com ratificação oficial em 15 de junho de 2010. Já a Convenção nº 98 da OIT é relativa à aplicação dos Princípios do Direito de Organização e de Negociação Coletiva que, por sua vez, foi aprovada em 1952, por meio do Decreto Legislativo nº 49.

 

Clique AQUI e acesse a petição inicial do documento protocolado.
 





 
Imprensa NCST com Assessoria de Imprensa do Sindjus/MA
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top