IBGE: São quase 28 milhões querendo trabalho. 4,6 milhões desistiram

Data de publicação: 17 Maio 2018

País tem número recorde de pessoas fora do mercado ou com jornada inferior à que gostariam. E o desalento aumentou.



Apesar do discurso otimista do governo, dados do mercado de trabalho demonstram que situação segue ruim.


O número de desempregados e subtilizados no Brasil atingiu 27,7 milhões no primeiro trimestre, número recorde no segundo caso, diz o IBGE. A chamada taxa de subutilização, de 24,7%, também é a maior da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, iniciada em 2012. Os subutilizados são aqueles que cumpriam jornada inferior a 40 horas e gostariam de trabalhar mais horas e incluem, ainda, pessoas que não estavam ocupadas e nem desocupadas, mas tinham potencial de mão de obra.

Os dados, divulgados nesta quinta-feira (17) pelo IBGE, chocam-se com o discurso do governo de retomada da economia e do emprego. Outra informação do instituto aponta aumento do desalento, que é a desistência do trabalhador de procurar emprego. Os desalentados somaram 4,6 milhões no primeiro trimestre, também o maior número da série, 4,1% da força de trabalho. Eram 4,3 milhões no último trimestre do ano passado. Outra pesquisa, referente a São Paulo, mostra que o tempo de procura por trabalho dobrou.

No primeiro trimestre de 2016, antes do impeachment, a taxa de desalento era de 2,7% da força de trabalho, para os atuais 4,1%. E a taxa total de subtilização era de 19,3% – agora, é de 24,7%.

Ainda no primeiro trimestre, a taxa nacional de desemprego, calculada em 13,1%, subiu em todas as regiões em relação ao último período de 2017. Houve queda na comparação anual. A maior foi apurada no Nordeste: 15,9%. A menor foi a do Sul, 8,4%. Chegou a 10,5% no Centro-Oeste, 12,7% na região Norte e 13,8% no Sudeste. 

Entre as unidades da federação, as maiores taxas foram apuradas no Amapá (21,5%), Bahia (17,9%), Pernambuco (17,7%), Alagoas (17,7%) e Maranhão (15,6%). E as menores, em Santa Catarina (6,5%), Mato Grosso do Sul (8,4%), Rio Grande do Sul (8,5%) e Mato Grosso (9,3%).

No maior mercado de trabalho do país, São Paulo, a taxa também ficou acima da média nacional, atingindo 14%, com estimados 3,513 milhões de desempregados. São 334 mil a mais em três meses, crescimento de 10,5%. 

Já as taxas de subtilização foram maiores em estados do Nordeste: Bahia (40,5%), Piauí (39,7%), Alagoas (38,2%) e Maranhão (37,4%). As menores, segundo o IBGE, foram em Santa Catarina(10,8%), Rio Grande do Sul (15,5%), Mato Grosso (16%) e Paraná (17,6%). 

A pesquisa mostra ainda recuo do emprego formal. No primeiro trimestre, 75,4% dos empregados no setor privado tinham carteira assinada, 1,2 ponto percentual a menos que em igual período do ano passado. Dos trabalhadores domésticos, os com carteira passaram de 31,5% para 30%. 

Maioria da população brasileira (52,4%), as mulheres são minoria entre os ocupados. A pesquisa do IBGE mostra predominância dos homens (56,5%), em todas as regiões, principalmente no Norte (60,3%).




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top