Resistência à reforma da Previdência segue firme em audiência pública no Senado

Data de publicação: 20 Fev 2018


Simultaneamente à diversas mobilizações em todo o país, objetivando a interrupção da chamada “reforma” da Previdência, o governo Temer, desgastado moral e politicamente, acenou pela suspensão, em 2018, do trâmite da PEC 287 no Congresso Nacional (saiba mais). No entendimento dos parlamentares, especialistas em Direito Previdenciário e lideranças sindicais participantes dos debates em discussão na audiência pública “A Situação dos Aposentados e Pensionistas” - provocada pela Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas - COBAP, em parceria com a Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social e a Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) do Senado Federal -; permanece a convicção de que, mesmo com noticiário favorável, a recomendação é manter agenda de mobilizações. Governo analisa, com sua equipe técnica, medidas “infra-constitucionais” para atender interesses do mercado, em detrimento dos apelos da sociedade. A estratégia do Planalto visa forçar a implementação de pontos da “reforma” sem a necessidade de aprovação pelo Congresso Nacional.

Nos debates desta terça-feira (20), novamente conduzidos pelo senador Paulo Paim (PT-RS), representantes da NCST e da CSPB destacaram-se nas proposituras e estratégias de enfrentamento. A audiência pública é mais uma das iniciativas que integram a Jornada Nacional de Lutas em Defesa da Previdência Social.


A audiência





A diretora de Seguridade Social, Aposentados, Pensionistas e Idosos da NCST, Rosana Colen Moreno, representou a Nova Central nos debates e relembrou os desafios e as lutas históricas da classe trabalhadora.




“A Nova Central com suas filiadas impretou Mandado de Segurança juntamente com o deputado Arnaldo e o senador Paim, com a finalidade de assegurar o respeito ao texto constitucional que determina, em caso de intervenção federal, a proibição da votação de emendas à Constituição. 2500 anos antes de Cristo a classe trabalhadora já brigava por seus direitos. Ao longo dessas lutas seculares, observamos um triste recrudescimento de diversas conquistas à partir da implementação, disfarçada na democracia, de uma autêntica ditadura do capital financeiro. É na esteira da disseminação do neoliberalismo mundo afora, mas, especialmente no Brasil, onde as maldades resultantes dessa agenda alcançaram dimensões inimagináveis. É preciso reconhecer que a luta de classes tomou novas dimensões à partir do domínio financista no mundo contemporâneo. Diante deste enorme enorme desafio, eu os invoco: trabalhadores do mundo, uni-vos!”

Representando o presidente da CSPB, João Domingos Gomes dos Santos, o diretor de Relações Internacionais da entidade, Sérgio Arnoud, fez uma breve análise de conjuntura e alerta à sociedade quanto as armadilhas que estão escondidas na chamada “intervenção federal” em curso no Estado do Rio de Janeiro.




“Mesmo diante da vitória parcial que conquistamos, não devemos subestimar o presidente Michel Temer. Os movimentos políticos recentes, orientados por sua equipe de marketeiros, apostam na pauta da segurança para posiciona-lo para a disputa presidencial. É hora de refazermos nosso discurso! Precisamos focar no combate à securitização da dívida, que repassa a dívida pública aos bancos que, em nosso país, cobram juros estratosféricos. A consequência imediata deste perigoso mecanismo é a canalização de parcela significativa da arrecadação tributária para o sistema financeiro, retirando recursos da Saúde, Educação, Segurança e demais serviços públicos. Essa luta deve ser priorizada, pois o fim do enredo é o sepultamento do Estado atual e sua substituição por outro, pequeníssimo, inteiramente a serviço do capital”, alertou Arnoud.




“A Argentina é um país em que seu sistema previdenciário, na década de 1990, foi privatizado pelo governo neoliberal de Carlos Menem. Com muita luta resgatamos o sistema público que, no governo Mauricio Macri, se pretende novamente privatizar. O potencial de lucros com a Previdência sempre a coloca na mira do capital financeiro internacional. A dignidade dos trabalhadores, após anos de contribuição com as riquezas do Estado, não deve ser objeto de lucro de ambiciosos capitalistas. É preciso resistência permanente contra o desmonte da Previdência e dos Estados Nacionais; ambos, instrumentos imprescindíveis no resgate do desenvolvimento econômico com progresso social”, argumentou o presidente da Confederação Latino-Americana dos Trabalhadores Estatatais - CLATE, Julio Durval Fuentes.

O senador e ex-ministro da Previdência Social, José Pimentel (PT-CE), apresentou, na ocasião, dados e cálculos autuariais que atestam o desmonte da Previdência conduzido pelo governo Temer, bem como os impactos na vida das pessoas e na economia municipal.




Detalhamentos orçamentários - entre 1995 e 2017 - do Regime Geral da Previdência Social (RGPS) e do Regime Próprio da Previdência Social (RPPS) foram apresentados na ocasião. Confrontando dados da arrecadação líquida e despesas com benefícios previdenciários, Pimentel denunciou fraudes e mecanismos criados, especificamente, com objetivo de sucatear o sistema previdenciário; entre eles, o aumento da Desvinculação das Receitas da União (DRU), o refinanciamento fiscal (Refis) para grandes devedores da Previdência Social e a ampliação da informalidade no mercado de trabalho, reduzindo a base de arrecadação previdenciária. “Os prejuízos bilionários resultantes destes três mecanismos de desvio e subtração de recursos previdenciários, está no cerne de uma agenda política premeditada a penalizar os atuais e, sobretudo, talvez os poucos trabalhadores que, com sorte, ainda consigam se aposentar em caso de eventual aprovação dessa legislação criminosa”, reforçou o senador petista.




O presidente da COBAP, Warley Martins Gonçalves, denunciou a tentativa deliberada do governo de jogar a opinião pública contra os servidores, comparando-os a “marajás e burgueses”, na esteira de propagandas tendenciosas que visam angariar apoio à PEC 287. “Nas derrotas anteriores, da Emenda 95 à reforma Trabalhista, não víamos o mesmo nível de união que observamos hoje. Pela superação das diferenças e fortalecimento das nossas predominantes convergências, conseguiremos perpetuar a unidade necessária para barrar este e outros retrocessos”, avaliou Warley.




“Se o governo diz que vai fazer intervenção no Rio de Janeiro para acabar com as quadrilhas, é preciso continuar o trabalho e fazer intervenção no governo para desmantelar essa quadrilha gigantesca que assalta o Estado, os trabalhadores e todo arcabouço de leis de proteção social”, reforçou o coordenador da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Previdência Social e deputado federal, Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).






Imprensa NCST
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top