Temer torra milhões para te convencer a reeleger quem mudar a Previdência

Data de publicação: 22 Jan 2018




por Leonardo Sakamoto



O governo Temer vem torrando uma grana violenta para veicular publicidade a fim de te convencer que a proposta que defende para a Reforma da Previdência é tão legal, mas tão legal, que você não deveria amaldiçoar o seu querido deputado federal, nas eleições deste ano, caso ele vote a favor da proposta.

Temendo que o eleitor vá à forra, parte dos congressistas está se borrando de medo e não promete estar ao lado do governo, em fevereiro, na hora da votação. Talvez tenha que ir ao dentista para uma limpeza de tártaro de emergência. Ou ficará gripado.

Diante disso, Temer sabe que não adiantaria fazer um discurso como aquele famoso de Fernando Collor, do dia 21 de junho de 1992, em que pediu à população: ''Não me deixem só''. Sim, antes de ser nome de música da Vanessa da Mata, isso já foi apelo de presidente acusado de corrupção.

Temer, raposa velha, sabe que o melhor a fazer nessas horas é torrar todo o dinheiro existente e o inexistente.

O problema é a origem desse dinheiro. Se ele viesse de uma vaquinha realizada por grandes empresas e pelo mercado financeiro, que ora pressionam, ora ameaçam o governo e o Congresso pela mudança nas regras da aposentadoria, seria mais justo. Mas vem do bolso de todos os que pagam impostos direta ou indiretamente, ou seja, todos nós.

Isso ocorre, como bem sabemos, através da liberação de emendas. O governo afirma que tem disponível R$ 30 bilhões para que os parlamentares anestesiem sua base eleitoral com alguns investimentos desejados há tempos torcendo para que não sintam a chicotada da reforma no lombo. Mas também pelo perdão de dívidas e o apoio à aprovação de leis e portarias que podem significar prejuízo aos cofres públicos e ganhos para deputados e senadores. Enfim, o loteamento da República.

Ao mesmo tempo, contrata-se (com dinheiro de todos, ressalte-se) muita publicidade estatal. Para rádio, TV, jornal e revista, internet. Apuração publicada na Folha de S.Paulo, desta segunda (22), mostra que o governo já gastou R$ 103,5 milhões em anúncios defendendo as mudanças na aposentadoria. E prevê torrar mais R$ 50 milhões em janeiro e fevereiro, quando está prevista a sua colocação em pauta.

A recente campanha do governo federal focada nos ''privilégios'' quer fazer crer que os atingidos serão apenas as carreiras do funcionalismo público que se aposentam com altos salários. Quem lê este blog com regularidade sabe que, por mais que o governo tenha cedido, a proposta ainda causará forte impacto entre os trabalhadores que não se encaixam nem entre os que ganham bem, nem entre os que estão em pobreza extrema. Muitos são os que receberão pensões menores do que aquelas aos quais teriam direito caso se aposentem com idade mínima e 15 anos de contribuição.

Além do mais, o governo quer fazer crer que a única proposta possível é aquela apoiada por ele.

Primeiro, garantindo que apenas o seu ponto de vista seja divulgado. O posicionamento contrário à proposta não conta com recursos para expor ao público amplo seus argumentos, mostrar aquilo que o governo não que contar sobre a reforma e abrir um debate público sobre a questão. Ou seja, a sociedade brasileira, através dos seus impostos, está bancando anúncios que tratam de apenas um lado da questão. Não é uma questão de injustiça. É sacanagem mesmo.

Já ouvi a justificativa de que a razão disso é que a proposta da Reforma da Previdência do governo não é um posicionamento, mas ''bom senso''. Vale lembrar que o ''bom senso'' não é neutro. Pelo contrário, é construído. Uma ação ou um comportamento visto como naturais ou lógicos são, na verdade, a resultante de uma série de disputas no seio de uma sociedade. Com o tempo, a lembrança dessas batalhas se esvai ficando apenas o seu resultado: uma ideia largamente aceita e pouco questionada.

Aliás, não há discurso mais ideológico do que aquele que diz que não possui ideologia. Ao tentar naturalizar relações sociais, culturais e econômicas como se fossem ''naturais'' ou ''lógicas'' ele está construindo, na verdade, uma complexa rede de estruturas. O neoliberalismo é craque em se afirmar neutro quando, na verdade, não é. Em dizer que é lógico e natural que uma forma específica de lidar com as aposentadorias é a única ''racional'' possível.

A Justiça Federal havia bloqueado essa campanha publicitária pró-reforma do governo federal. Contudo, a presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, suspendeu essa decisão em abril, afirmando que isso tirava a possibilidade do governo de divulgar a motivação da proposta. E que se houvesse de conteúdo inverídico em uma peça publicitária, que a restrição fosse pontual.

Mas a discussão não é apenas o conteúdo da campanha, e sim a campanha em si. Isso significa que a própria Justiça – ao endossar uma ação de propaganda política que é claramente de convencimento e não de informação – está desequilibrando esse debate e restringindo a força do contraditório.

Particularmente, acredito que grande parte da população não quer a reforma não porque o governo não sabe se comunicar, mas porque, pelo contrário, deixou muito claro o que queria. E não mostrou esforços pela restruturação do país que também incluam sacrifícios por parte dos mais ricos, que não dependem do INSS ou de serviços públicos porque podem pagar pelo seu presente e seu futuro.

Fala-se em combate a privilégios, contudo o governo não fala sobre o retorno da taxação dos dividendos recebidos de grandes empresas ou a mudança no Imposto de Renda, criando alíquotas de até 40% para salários muito altos e isentando a maior parte da classe média.

A sociedade mudou, a estrutura do mercado de trabalho mudou, a expectativa de vida mudou. Portanto, as regras que regem a Previdência Social podem e devem passar por discussões de tempos em tempos como já disse aqui repetidas vezes. Contudo, a discussão deveria ser bem conduzida. O que não está sendo o caso.

Até porque essa proposta de Reforma da Previdência não estava no projeto de governo apresentado pela chapa vitoriosa com a qual Michel Temer concorreu em 2014 – mesmo que tenha sido, como ele mesmo disse, um ''vice decorativo''.



* Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política pela Universidade de São Paulo. Cobriu conflitos armados em diversos países e o desrespeito aos direitos humanos no Brasil. Professor de Jornalismo na PUC-SP, foi pesquisador visitante do Departamento de Política da New School, em Nova York (2015-2016), e professor de Jornalismo na ECA-USP (2000-2002). É diretor da ONG Repórter Brasil e conselheiro do Fundo das Nações Unidas para Formas Contemporâneas de Escravidão






Fonte: Blog do Sakamoto


A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top