Nova Central apoia Ação Popular contra Lei que autoriza empréstimo de R$ 15 bilhões do FGTS para a CEF

Data de publicação: 18 Jan 2018




Companheiros e companheiras,
 


É com enorme preocupação, após análise cuidadosa dos termos da Lei 13.590/2018 que, a nosso juízo, observamos acumulo significativo de ilegalidades. O texto, na prática, autoriza a Caixa Econômica Federal (CEF) a retirar, na forma de empréstimo, R$ 15 bilhões do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), com potencial para trazer graves prejuízos à poupança do trabalhador.
 
Provocados pelo Instituto Fundo Devido ao Trabalhador, uma ONG que tem, entre outros objetivos, proteger a saúde financeira do FGTS; estamos convencidos a apoiar, irrestritamente, a Ação Popular (saiba mais) que suspende a Lei e seus efeitos até futuro julgamento e decisão definitiva, compreendendo o caráter inconstitucional da Lei sancionada.
 
Analisando-se a Lei nº 13.590/2018, verifica-se que se encontra contaminada de ilegalidade. A União não pode, na condição de acionista único da CEF, empresa pública e administradora da curadoria do FGTS, utilizar verbas do fundo para capitalizar a Caixa Econômica Federal, a fim de cumprir o Acordo de Basiléia III, vigente a partir de 2019 - apesar de o governo alegar que a Lei é para que a Caixa possa emprestar mais dinheiro para financiamento de Habitação Popular, Saneamento Básico e Infra-Estrutura -, o que, em nossa análise, não corresponde ao verdadeiro motivo.
 
É importante ressaltar que o FGTS é verba de terceiros (trabalhador), não podendo a União utilizar tais verbas para capitalizar uma empresa pública, da qual detêm 100% do capital social, ainda mais se tratando da empresa que é a gestora do FGTS. A Lei 13.590 pega o dinheiro do trabalhador e faz o que consideramos uma doação de R$ 15 bilhões a Caixa Econômica Federal. As regras, criteriosamente analisadas na Ação Popular, foram cuidadosamente elaboradas para a Caixa Econômica jamais pagar a dívida. O Fundo de Garantia, nos termos dessa Lei, não tem nenhum direito na eventualidade de algum problema futuro. Isso não existe em lugar nenhum do mundo! Se o Fundo de Garantia precisar de R$ 15 bilhões para cobrir despesas como, por exemplo, pagar os Expurgos da Taxa Referencial que já está em R$ 362 bilhões, a CEF, o Tesouro Nacional, ou ambos irão doar esse valor?
 
Diante de tão grave ameaça, solicito apoio dos nossos companheiros à Ação Popular capitaneada pela ONG “Instituto Fundo Devido ao Trabalhador”.

 


José Calixto Ramos
Presidente da NCST

 

 
Clique AQUI e baixe a íntegra da Ação Popular contra a Lei 13.590/2018
 
 


 
Imprensa NCST


 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top