Justiça nega pedidos e manda ex-funcionária do Itaú pagar honorários

Data de publicação: 13 Dez 2017

Em decisão de primeira instância, juiz de Volta Redonda considera improcedentes a maior parte da ação, que foi aberta antes da entrada em vigor da "reforma" trabalhista.



Pela nova lei, trabalhador fica sujeito a arcar com custos mesmo que a ação seja considerada parcialmente procedente.



Um dos efeitos da Lei 13.467, de "reforma" trabalhista, já se faz sentir exatamente como desejavam as empresas, no sentido de limitar o acesso do empregado à Justiça do Trabalho. Em decisão de primeira instância, um juiz de Volta Redonda (RJ) negou a maioria dos pedidos de uma ex-funcionária do Itaú e ainda fixou à trabalhadora o pagamento de R$ 67,5 mil a título de honorários, 15% do valor da causa negada.

A decisão foi do juiz substituto Thiago Rabelo da Costa, da 2ª Vara do Trabalho de Volta Redonda. A ação é de julho, mas ele julgou já com base na nova lei, que entrou em vigor em 11 de novembro. O juiz considerou improcedentes os pedidos relativos a acúmulo de função, horas extras, diferenças salariais e reflexos, além do dano moral por assédio. Foi favorável apenas quanto à falta de intervalo de 15 minutos entre a jornada normal e as horas extras.

Pelo artigo 790-B da Lei 13.467, "a responsabilidade pelo pagamento dos honorários periciais é da parte sucumbente na pretensão objeto da perícia, ainda que beneficiária da justiça gratuita". Trata-se da parte que perde a ação. No caso em questão, o juiz também negou o benefício da gratuidade.

Como o valor inicial da ação foi aumentado – pela própria Justiça – para um total de R$ 500 mil e a trabalhadora foi "sucumbente" na maior parte dos pedidos, ou R$ 450 mil, o juiz a condenou ao pagamento dos chamados honorários sucumbenciais, fixando o valor de R$ 67,5 mil, ou 15%. A lei fala que ao advogado cabem honorários fixados entre 5% (mínimo) e 15% (máximo) sobre o valor da liquidação da sentença.

Condenado em R$ 50 mil, o que restou do valor fixado pelo próprio Judiciário, o Itaú deve pagar R$ 7.500 de honorários (também 15%).


Precedente


Em São Paulo, a 17ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2) fixou validade da cobrança de honorários para sentenças proferidas após a vigência da nova lei. Segundo o tribunal, caso a sentença tenha sido anterior a 11 de novembro, não deverá ser aplicado o dispositivo que prevê pagamento, pelo perdedor, do chamado honorário de sucumbência. 

"Portanto, a decisão não será válida para processos, por exemplo, que estão aguardando julgamento, em grau de recurso, de sentença proferida anterior à vigência da nova lei. Antes da reforma, quem entrasse com ação trabalhista contra a empresa e perdesse não precisava pagar honorários para os advogados da parte contrária", diz o TRT.

O tribunal lembra que a decisão é de "natureza persuasiva". Ou seja, não tem caráter obrigatório, mas traz um precedente para as próximas sentenças. E foi tomada a partir de um caso concreto, de sentença proferida em data anterior à vigência da reforma. A 17ª Turma "entendeu inaplicável" o artigo da nova lei e reformou a sentença de primeiro grau.





Fonte: Rede Brasil Atual -  RBA
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top