ADUnB aumenta pressão contra reforma da Previdência

Data de publicação: 13 Dez 2017

"A reforma da Previdência é um elemento tão importante da cidadania que tem que ser colocada na eleição presidencial e não agora por um governo que tem 5% de popularidade", argumenta presidente da ADUnb.




A Associação dos Docentes da Universidade de Brasília (ADUnB) decidiu intensificar a pressão sobre os parlamentares federais para impedir a aprovação da reforma previdenciária – Proposta de Emenda Constitucional (PEC 287/2016) –, em tramitação na Câmara dos Deputados.

Além de visitar os parlamentares e entregar um documento reunindo vários argumentos técnicos contra as mudanças, a entidade lançou uma campanha para estimular os 2,5 mil professores da Universidade de Brasília (UnB) a mandar mensagens aos congressistas pedindo a rejeição das propostas apresentadas pelo presidente Michel Temer. Dois escritórios de advocacia estão à disposição dos professores para esclarecer dúvidas sobre a reforma (ver contatos no final deste texto).

Não bastassem as restrições de ordem técnica, o presidente da ADUnB, professor Virgílio Arraes, ressalta que o atual governo, reprovado pela maioria da população, não tem legitimidade para promover mudanças tão profundas no sistema previdenciário. “A reforma da Previdência é um elemento tão importante da cidadania que tem que ser colocada na eleição presidencial e não agora por um governo que tem 5% de popularidade”, argumenta. Soma-se à impopularidade do governo o desgaste do Parlamento, com diversos senadores e deputados envolvidos em escândalos de corrupção.

A campanha eleitoral de 2018, argumenta Virgílio Arraes, será o momento certo para o debate sobre os rumos da Previdência. Alterações nessa área, destaca ele, devem ser fruto de um pacto da sociedade e não do desejo de tecnocratas do atual governo. As medidas poderiam ser encaminhadas a partir de 2019 pelo futuro presidente que for legitimado nas urnas.

Enquanto isso, a administração federal dispõe de diversas medidas para administrar as contas no curto prazo. “Em vez de centrar-se na revisão das isenções tributárias, no combate à sonegação fiscal, em especial a de grande porte, e na execução de medidas de recuperação sólida da economia, o governo federal prefere o caminho de menor esforço e de maior desigualdade, ao punir, entre outros, professoras e professores com maior tributação”, afirma documento da ADUnB. A preocupação do governo deveria ser além do combate à inflação a geração consistente de empregos, o que aumentaria a arrecadação.

As entidades contrárias à reforma pedem a rejeição da PEC 287/2016, que endurece as regras para aposentadoria e pensão, e também da Medida Provisória 805, de 2017, que aumenta de 11% para 14% a contribuição previdenciária dos servidores públicos que ganham acima do valor do teto dos benefícios pagos pela Previdência, hoje fixado em R$ 5.531, e adia para 2019 os reajustes salariais negociados pelas categorias profissionais.

O desestímulo ao professorado com a aprovação de tais medidas se refletiria negativamente no setor responsável pela maior parte da ciência e tecnologia do país e pela formação da mão de obra mais qualificada da nação.


A inconstitucionalidade das novas regras para os servidores


“A Medida Provisória 805 é inconstitucional”, afirma Leandro Madureira, advogado da ADUnB. Segundo ele, a MP fere a Constituição ao estabelecer a alíquota progressiva, ao modificar regulamento de dispositivo constitucional e pela falta de relevância e urgência. Ao suspender os reajustes salariais negociados pelas categorias profissionais com o governo, fere o princípio do direito adquirido.


"A Medida Provisória 805 é inconstitucional", afirma Leandro Madureira, advogado da ADUnB


A última versão da PEC 287 foi apresentada no último dia 22, sob a forma de emenda aglutinativa, mantendo os princípios básicos dos textos anteriores, que dificultam o acesso e reduzem os valores dos benefícios. O governo, porém, diz que a proposta apenas combate privilégios.

“Trata-se de propaganda enganosa, pois o texto não tem a intenção de combater privilégios. O governo que ludibriar a população “, contesta Leandro Madureira.

Na última reforma previdenciária, feita em 2013, foi instituído o teto único de benefício para todos, o que acabou com a possibilidade de novas aposentadorias diferenciadas para servidores públicos. Desde então o teto de aposentadoria é o mesmo nas áreas pública e privada. “O governo tenta passar a impressão de que há privilégios, mas esconde o fato de que o regime dos servidores públicos tem regras mais rigorosas do que as do INSS. A propaganda é uma farsa!”, critica.



Escritório Rodrigues Pinheiro Advocacia
Atendimento Trabalhista/Administrativo 
ADUnB – Terças e Quartas (11h às 13h)
UnB Gama – Segundas (9h às 13h)
UnB Ceilândia – Quartas (9h às 13h)
UnB Planaltina – Terças (9h às 13h)
Atendimento Cível e Defesa do Consumidor
ADUnB – Sextas (11h às 13h)


Escritório Roberto, Mauro & Advogados
Atendimento Trabalhista/Administrativo
ADUnB – Segundas (10h às 12h) e Quintas (16h às 18h)







Fonte: Congresso em Foco

 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top