A falsa economia dos cortes de investimentos públicos

Data de publicação: 6 Nov 2017





Por Marcio Pochmann
Na Rede Brasil Atual


Dentre as razões do golpe de 2016 que destituiu a presidente Dilma – democraticamente eleita –, encontrava-se a prometida reorganização das finanças públicas. No último mês de setembro, a dívida bruta do setor público foi de R$ 4,8 trilhões, representando 73,9% do valor do Produto Interno Bruto (PIP), ao passo de que em setembro de 2016 era de 4,3 trilhões (70,7% do PIB). Ou seja: em 12 meses, a dívida bruta pública cresceu 500 bilhões de reais.

Pela proposta orçamentária do governo Temer para o ano de 2018, a dívida pública deverá alcançar quase 79% do PIB, situando-se, em 2020, em 80,7% do PIB. Mas pela Instituição Fiscal Independente (IFI), por exemplo, a dívida bruta do setor público pode chegar a representar 100% do PIB em 2020.

Em vez de preocupar-se com a retomada do crescimento econômico, o que permitiria ampliar o nível da produção e do emprego, com a imediata elevação da arrecadação fiscal para fazer frente ao conjunto das despesas públicas, a orientação da política econômica do governo de Michel Temer segue a lógica do desmonte do Estado brasileiro. Por mais cortes de gastos promovidos e que desanimam a economia nacional, postergando a retomada do crescimento da produção em bases sólidas, a dívida bruta do setor público segue em alta, pois passou de R$ 3,2 trilhões (59% do PIB), em 2014, para R$ 4,8 trilhões (76% do PIB), em 2017. Em síntese, a dívida pública cresceu R$ 1,5 trilhão desde 2014, ou seja, 500 bilhões de reais por ano.

O desmonte do Estado tem sido percebido por várias dimensões. Uma delas tem sido o processo de desfazimento do setor produtivo estatal, com a privatização nos segmentos energia elétrica e petróleo e gás, bem como o abandono das políticas de conteúdo local. Agora ainda mais, com o recente decreto 9.188 das estatais de Temer, que oficializa a privatização generalizada por meio do regime especial de venda dos ativos das empresas de economia mista, como Petrobras, Eletrobras e outras.

No âmbito do orçamento do governo federal também fica clara a evolução do desmonte do Estado pela lógica da asfixia dos recursos para as políticas públicas, sobretudo sociais. Para o ano de 2018, por exemplo, a proposta orçamentária estabelecida segunda a Emenda Constitucional responsável pela limitação dos gastos da União ao teto da inflação do ano anterior, várias políticas públicas apontam para o desaparecimento, assim como a própria insignificância do investimento público.

Nos casos de políticas sociais como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), o Bolsa Família, o Ensino Superior, a Ciência e Tecnologia, os investimentos do Plano de Aceleração do Crescimento – PAC, as ações de combate ao racismo e o Sistema Único de Assistência Soical (SUAS), as evidências da asfixia de recursos públicos parecem inegáveis.

Se o Congresso nacional validar, o PPA terá, por exemplo, R$ 750 mil disponíveis para o ano de 2018, enquanto em 2015 eram da ordem R$ 609 milhões os recursos disponíveis.

No caso do Bolsa Família, o orçamento para o ano de 2018 reduz em 11% recursos (R$ 3,3 milhões), o que equivale à retirada do programa de cerca de 2 milhões de famílias beneficiadas. No caso do Ensino Superior, as universidades públicas terão encolhido o orçamento para R$ 5 bilhões em 2018, quando em 2015, por exemplo, atingia a R$ 15 bilhões.

Para as políticas de Ciência e Tecnologia, a redução parece ser ainda mais drástica, com a diminuição para R$1,3 bilhão do seu orçamento no ano de 2018. Isso equivale a apenas 22,4% do que foi destinado em 2015 (R$ 5,8 bilhões).

Nessa mesma marcha, o conjunto dos investimentos públicos sofrem radical contenção. No caso do PAC, por exemplo, a proposta orçamentária de 2018 prevê apenas R$ 2 bilhões para investimentos, sobretudo em obras de infraestrutura, enquanto eram de R$ 33 bilhões no governo Dilma.

Nas ações de combate ao racismo, a proposta orçamentária para 2018 aponta para uma queda de R$ 8,4 milhões no total de recursos. Ou seja, uma diminuição de 1/3 dos recursos aplicado em 2017 (R$ 25 milhões).

O desmonte segue com o Sistema Único de Assistência Social que tem redução de 60,6% na proposta orçamentária de 2018 em relação à de 2017. Assim, por exemplo, o recurso para a estruturação da rede de serviços de proteção básica reduz-se em 97,2% (de R$ 7,1 milhões para 200 mil reais), enquanto os recursos para os Serviços de Proteção Social Básica decrescem 93,8%, de quase R$ 1,3 bilhão para R$ 800 mil.

Com 8,2 mil Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e cerca de 600 mil trabalhadores para atender próximo de 30 milhões de famílias e pessoas em situação de vulnerabilidade social (moradores de rua, idosos, crianças, imigrantes, entre outros), o SUAS corre o sério risco de se inviabilizar. Em síntese, a concretização de que a contenção dramática de recursos do governo Temer desmonta o Estado no Brasil.



Marcio Pochmann é professor do Instituto de Economia e pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho, ambos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)





Fonte: Caros Amigos 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top