Mercado de trabalho cria vagas: sem carteira e de autônomos

Data de publicação: 1 Nov 2017

Taxa de desemprego no país recuou para 12,4% no trimestre, com quase 13 milhões de desocupados, mas ainda é maior em relação a 2016. Trabalho formal fica estagnado. Ocupação sobe apenas em serviços.



Há um ano, empregados com carteira representavam 38% dos ocupados no Brasil. Agora, são 36%


A taxa de desemprego no país foi a 12,4% no trimestre encerrado em setembro (13% em junho e 11,8% há um ano), com uma estimativa de 12,961 milhões de desempregados. São 524 mil a menos (-3,9%) em relação a junho e 939 mil a mais (7,8%) em um ano, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, divulgada hoje (31) pelo IBGE. Em três meses, foram abertas 1,061 milhão de vagas, na maior parte de trabalhadores por conta própria (402 mil) e empregados sem carteira no setor privado (288 mil). Também cresceu o emprego no setor público (191 mil).

O emprego com carteira ficou estagnado, mostrando interrupção da tendência, até poucos anos atrás, de expansão do mercado formal. Na comparação com setembro do ano passado,  cai 2,4%, com menos 810 mil trabalhadores.

Um ano atrás, os empregados com carteira representavam 38% dos ocupados no Brasil. Agora, são 36%. Nesse mesmo período, os empregados sem carteira foram de 11% para 12% e os autônomos, de 24% para 25%.

De junho para setembro, 536 mil pessoas ingressaram na força de trabalho (104,258 milhões), enquanto o mercado abriu 1,061 milhão de vagas, fazendo o numero de desempregados cair em 524 mil. Na comparação com 2016, a mão de obra cresceu em 2,401 milhões, enquanto foram abertos 1,462 milhão de postos de trabalho, fazendo o total de desempregados aumentar em 939 mil. Mais uma vez, o crescimento se dá pelo trabalho por conta própria (1,056 milhão) e pelo emprego sem carteira (641 mil).

Entre os setores, no trimestre apenas áreas ligadas a serviços e da administração pública registraram alta da ocupação. Os demais ficaram estagnados. Em 12 meses, serviços e comércio crescem, a indústria fica estável e construção e agricultura têm queda.

O rendimento médio dos ocupados foi calculado pelo IBGE em R$ 2.115, estável no trimestre (0,3%) e com variação de 2,4% em relação a setembro do ano passado. A massa de rendimentos (R$ 188,137 bilhões) cresce 1,4% e 3,9%, respectivamente.




Fonte: Rede Brasil Atual - RBA
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top