Economistas pelo Brasil: Discurso econômico virou arma política na mão dos ricos, diz manifesto

Data de publicação: 9 Out 2017


O debate econômico no Brasil encontra-se bloqueado e vem sendo usado como chantagem contra o povo, como se não houvesse saída sem retrocesso social. Por isso, propostas que visam a solucionar a crise por meio da distribuição de riqueza precisam voltar à tona com urgência e de maneira contundente. Com esse “espírito”, um conjunto de economistas e profissionais da área econômica apresenta um manifesto para aprofundar o diálogo sobre a economia, que deve servir ao povo (acesse aqui).

Segundo o manifesto, é necessário orientar coletivamente as potencialidades do Brasil. Hoje, todas as potencialidades são ocultadas por um discurso de crise que se destina a resolver o problema dos mais ricos.

Para sair da crise, os signatários defendem profundas reformas para beneficiar o povo brasileiro e uma nova política econômica baseada na ampliação dos gastos em infraestrutura e serviços sociais básicos, buscando o aumento da demanda, do investimento, do emprego e dos salários. O manifesto defende também revogar a Emenda Constitucional 95, o desmonte dos direitos trabalhistas, impedir a aprovação do desmonte da Previdência, barrar as privatizações que abrem mão de ativos públicos estratégicos e impedir a entrega da reserva amazônica.


São elencados 11 objetivos de uma nova economia de combate à crise social e para o avanço nas reformas estruturais:


1. Garantir o emprego e recuperação dos salários

2.Promover a distribuição da renda e da riqueza, erradicar a miséria e a pobreza

3. Educação pública, de qualidade, em todos os níveis, para toda a população.

4. Saúde pública de qualidade para toda a população.

5.Democratizar a justiça, pela paz social.

6. Alimentos saudáveis para toda a comunidade.

7.Moradia e transporte

8.Ciência e tecnologia

9. Promover a Integração nacional e infraestrutura

10.Fazer a reforma agrária e reforma urbana

11.Soberania nacional e superação da dependência externa.


Os instrumentos para atingir os objetivos seriam, segundo o manifesto:


1.Reforma tributária que cobre mais de quem tem mais e menos de quem tem menos.

2.Cobrança efetiva da Dívida Ativa da União.

3.Combater a sonegação de impostos.

4.Redução da taxa básica de juros (Selic).

5.Auditoria da dívida e recomposição da capacidade de endividamento público, de modo que ele   sirva ao investimento produtivo e não ao parasitismo financeiro.

6.Venda de parcela das reservas internacionais.

7.Readequação do saldo da Conta Única do Tesouro.

8.Declaração de nulidade da dívida dos Estados e Municípios e revisão do pacto federativo.

9.Fortalecimento dos bancos públicos.

10.Controle democrático sobre o Banco Central.

11.Avançar no combate à corrupção.

12.Controle de capitais e do câmbio.

13.Controle nacional de setores estratégicos: energia, minério, petróleo, comunicação, água e química.



Acesse AQUI o manifesto na íntegra.




Fonte: Brasil Debate

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top