Sobre as origens da desigualdade e o Brasil

Data de publicao: 9 Out 2017

Medidas tomadas pelo atual governo brasileiro não deixam dúvidas de que aqui a desigualdade é um projeto de poder que envolve o Estado e um modelo no qual, para que uns ganhem muito, outros precisam permanecer na miséria.





por Ana Luíza Matos de Oliveira



Novos elementos têm surgido para a discussão sobre desigualdade no Brasil, em especial sobre a discussão se durante os anos 2000 o Brasil teria reduzido ou não a desigualdade, que é, diga-se de passagem, das maiores do mundo.

Não é nosso enfoque, nesse curto texto, discutir as diferentes metodologias que têm sido aplicadas a partir dos dados disponíveis no Brasil para a análise da desigualdade, mas discutir algumas premissas que permeiam o debate sobre desigualdade no mundo, tal como uma ideia de que os que estão “no topo” ali chegaram por mérito próprio, sem nenhuma relação com o fato de os “de baixo” continuarem embaixo.

Um dos autores que tratam dessa ideia é Angus Deaton, ganhador do prêmio Nobel de Ciências Econômicas de 2015, em seu último livro. Deaton, em “The great escape: health, wealth, and the origins of inequality” (Princeton University Press. New Jersey, USA, 2013), não se limita a analisar a desigualdade de renda, mas observa outros fatores como a saúde para discutir a ampliação ou redução da desigualdade no mundo.

Mas a ideia central do livro é a de que a desigualdade é resultado do progresso. O que Deaton chama de “Grande Fuga” (Great Escape), que inclusive dá nome ao livro, é a “fuga” de parte da humanidade da morte precoce e da fome, tendo como marco a revolução industrial. A revolução industrial teria levado parte do mundo (o Reino Unido, em um primeiro momento) a melhorar de vida, deixando para trás a grande maioria do restante do mundo, que não teria conseguido escapar, ampliando assim as desigualdades. Com isso, a desigualdade seria fruto do avanço de uma parte do sistema mundial e seu avanço nada teria a ver, em geral, com a pobreza de outras partes do globo.

A revolução industrial, segundo o autor, é a responsável pela criação de um sistema estável, que mantém constante a geração de riqueza. E ela seria um dos casos mais benignos de “fuga”, ao contrário dos casos em que houve “fuga” à custa de outros. Ou seja, a revolução industrial seria um processo sem perdedores. Na verdade, lentamente, a melhoria de uns influenciaria outros e, para o autor, o mundo estaria em uma trajetória de melhora. As reversões seriam fruto de guerras, doenças e más políticas.

Se os “de baixo” podem escapar sem que os de cima percam, o que os mantêm “embaixo”? A desigualdade, para Deaton, decorreria de alguns terem saído da pobreza e outros continuado, não pelo fato de os que estão “em cima” necessitarem explorar os que estão embaixo para continuar em cima: o autor minimiza o poder, a exploração e a luta de classes. Desaparece o elemento da luta de classes e a historicidade da geração de desigualdade: o capitalismo sim, segundo Marx, é um gerador de riquezas, mas essas riquezas são apropriadas por poucos à custa de muitos.

O Brasil é um exemplo de como a bonança de alguns tem, sim, a ver com a exploração de outros. A disputa pela redução, manutenção ou ampliação da desigualdade ocorre diariamente na nossa sociedade, sendo o Estado um elemento vital nessa mediação, por controlar o orçamento e estabelecer as políticas públicas.

Com o atual governo, podemos perceber ainda mais claramente como a riqueza de alguns está sim relacionada com a exploração de outros e como isso se cristaliza nas ações do governo: por exemplo, são retirados recursos da educação pública (como com a Emenda Constitucional 95) e por outro lado são beneficiados grandes produtores rurais devedores de impostos (o governo federal desistiu de recorrer ao Supremo Tribunal Federal para tentar derrubar resolução do Senado que proíbe a cobrança retroativa do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural), um imposto de contribuição previdenciária sobre a receita bruta proveniente da comercialização da produção rural, o que dá aos ruralistas brasileiros um perdão de dívidas de aproximadamente R$ 17 bilhões).

Fica claro que a desigualdade no Brasil é um projeto de poder que envolve o Estado e que, sim, para que uns ganhem muito, nosso modelo aqui pede que outros permaneçam na miséria.

Para além da discussão sobre se a desigualdade caiu, aumentou ou continuou na mesma nos últimos anos, a desigualdade brasileira é altíssima – uma das maiores do mundo – e se mantém através de uma estrutura tributária, urbana e agrária construídas para a manutenção do status quo. Se queremos reduzir a desigualdade no Brasil, precisamos discutir as reformas que levariam o Brasil a ser mais justo, como a reforma tributária, que reduza, por exemplo, o peso dos impostos indiretos, e as reformas urbana e agrária, que façam cumprir a função social da propriedade, além da ampliação do acesso aos direitos sociais como saúde e educação.



* Ana Luíza Matos de Oliveira é economista da UFMG, mestra e doutoranda em Desenvolvimento Econômico (Unicamp), integrante do GT sobre Reforma Trabalhista IE/Cesit/Unicamp e colaboradora do Brasil Debate




Fonte: Brasil Debate

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top