Trabalhadores protestam contra reforma trabalhista em audiência na CDH

Data de publicação: 11 Jul 2017

Terminou em protesto contra a reforma trabalhista a audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) marcada, inicialmente, para tratar da aposentadoria especial para os profissionais da enfermagem. A reunião, que teve início na manhã desta segunda-feira (10), foi retomada durante a noite em vigília convocada pelo vice-presidente da comissão, senador Paulo Paim (PT-RS).





por Roque de Sá


A exemplo do que ocorreu na manhã desta segunda-feira, a indignação com a reforma trabalhista voltou a dominar a audiência na CDH. Os participantes destacaram que o projeto do governo representa um massacre aos direitos dos trabalhadores e afirmaram que irão às ruas para não permitir que a proposta (PLC 38/17) seja votada em plenário nesta terça-feira (11).

“Eu vou à luta, vou para as ruas, mas não vou permitir que nós, trabalhadores do Brasil, paguemos a conta”, disse Ednilson Mira dos Santos, técnico de enfermagem do sistema sócio-educativo do Distrito Federal.

Representando a Nova Central dos Trabalhadores, Moacyr Roberto, destacou que os trabalhadores estão sendo alvo dos piores ataques possíveis e lamentou que o governo leve adiante a votação da reforma trabalhista mesmo com pesquisas revelando que 95% da população brasileira são contra as reformas propostas pelo Executivo.

“Não tenho saudade e não reverencio os militares, mas nem os militares tiveram a coragem de fazer o que esse governo tem feito contra os trabalhadores. Não tiveram coragem de desmontar a estrutura sindical e tão pouco tirar o direito que os trabalhadores tinham”, disse.

A senadora Regina Sousa (PT-PI) disse que a reforma pretende fragilizar a Justiça do Trabalho, enfraquecer os sindicatos e “matar” os trabalhadores. A senadora pediu o apoio dos trabalhadores para protestarem contra a votação da reforma nesta terça-feira. 

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) se mostrou indignado com o fato de o Senado votar a reforma, enquanto a Câmara decide se autoriza o prosseguimento da denúncia do Ministério Público contra o presidente Michel Temer por crime de corrupção passiva. Segundo ele, em um momento de crise econômica, a intenção do projeto é fazer com que empresários aumentem a margem de exploração e paguem menos para os trabalhadores.

“Amanhã [terça-feira, 11] vamos lutar muito para que a reforma não seja votada. Isso é um pacote de maldades. Nunca vi um projeto tão devastador para o trabalhador como esse”, afirmou.

Paulo Paim disse que está no Parlamento há 32 anos e nunca vivenciou uma situação de tanta maldade contra o povo brasileiro. O senador disse estar torcendo para que o Senado não se acovarde durante a votação do projeto.

“Que eles não botem o Senado de joelhos para o Executivo. Que o Senado defenda uma proposta de bom senso e não essa proposta monstruosa que acaba com todo direito dos trabalhadores”, disse.

Delaíde Alves Miranda Arantes, ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), afirmou que a reforma fará com que o país regrida para o século 19 já que permite, inclusive, a contratação de trabalhadores em situação análoga a de escravos.

“Temos exemplos de vários países do mundo que fizeram reformas similares a essa do Brasil e que milhões de trabalhadores estão em situação precária”, disse.




Fonte: Agência Senado

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top