Carta de Luziânia

Data de publicação: 4 Jul 2017


Os(as) Delegados(as), representantes de entidades sindicais filiadas a Nova Central Sindical de Trabalhadores – NCST, reunidos no seu 4º Congresso Nacional, realizado entre os dias 26 e 28 de junho de 2017, no Centro de Treinamento Educacional da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria, na cidade de Luziânia-GO, com o objetivo de direcionar os rumos e planos de ação para o quadriênio 2017-2021, desta Central, tendo como referência e base os eixos temáticos delineados para a realização do evento – Mundo do Trabalho, Políticas Públicas, Sistema Político Nacional e Seguridade Social, em consonância com a atual conjuntura –, discutiram e deliberaram proposições, encaminhamentos e resoluções para a construção de uma agenda programática e, sobretudo, ações de enfretamento às cruéis contradições da realidade, em face à crise que assola o país nas suas dimensões ética, econômica, política e social, com reflexos lesivos e diretos nas condições de vida e nos direitos mais elementares da sociedade, impondo e causando severos impactos, seja na atualidade ou no futuro, especialmente à classe trabalhadora em atividade ou aposentada, empregada ou desempregada.

A atual conjuntura, ao se tornar ainda mais bem explícita, a partir dos eixos temáticos debatidos, coloca em evidência a urgência de que a Nova Central priorize e aprofunde suas ações em consonância com as entidades filiadas, às quais, além de informar, denunciar, fundamentalmente, imponham transformações concretas à realidade vigente. Neste momento de intensa transformação no mundo do trabalho, de avanços significativos da ciência e da tecnologia, presenciamos o prenúncio a regressões aos piores momentos da história da classe trabalhadora a partir de Revolução Industrial (séculos XVIII e XIX), é fundamental que a racionalidade seja preservada como valor pétreo nas relações humanas de trabalho. Negá-la é admitir e impor a indignidade, a injustiça e intensificar a desigualdade e as diversas formas de exploração e exclusão social ao povo brasileiro, principalmente aos trabalhadores e às trabalhadoras.

Vivemos o aprofundamento de crises sucessivas do capital, nas quais se tornam a cada dia mais nítidas, não só a ausência, mas a flagrante “ruptura com o Estado Democrático de Direito”, portanto, também com “a República e com a Democracia”. A independência e a imparcialidade, institutos que deveriam ser e estar consagrados no exercício do Três Poderes, estão comprometidos e em constante conflito nas ações de seus agentes, provocando danos e óbices à garantia de manutenção das leis e da Constituição. Não é demais sustentar que, infelizmente, tornou-se recorrente a violação das leis protetivas para as condições laborais e de direitos à classe trabalhadora, a prática desenfreada de ilícitos legitimados como aportes alternativos de sentenças materializadas como se fossem lições pedagógicas instiladas ao regramento da injustiça social proferidas, exatamente, por uma parte significativa e poderosa do Estado.

Quando a multidão de desempregados, no Brasil, ultrapassa a população de muitos países, alcançando a humilhante e perversa soma de mais de 14 milhões de pessoas sem ocupação e, entre as quais, uma grande parcela não tem perspectivas de retornar a qualquer forma de emprego formal; quando as políticas públicas de gênero, de igualdade social e de medidas sociais compensatórias são revogadas na lei e nas práticas governamentais, há que se reconhecer, vivemos o aprofundamento de uma crise nacional que assume a feição de crise humanitária.

Não é sem sentido o motivo pelo qual, com a intensificação de tais práticas, houve a aprovação da Emenda Constitucional 95/16 (teto dos gastos), da Lei 13.429/17 (terceirização), o célere andamento da “reforma trabalhista” (PL 6787/16 - atual PLC 38/17 no Senado), além da PEC 287/16 (“reforma da previdência”), ficando evidente o fato de, atualmente, estar em xeque o fim de toda estrutura estatal de fiscalização e de proteção social dos direitos e do ambiente de trabalho. Momento no qual evidenciamos se tratar de uma estrutura que não existiria sem a organização e a intervenção da classe trabalhadora por meio de suas lideranças e entidades sindicais, e que, agora, encontra-se em iminente risco.

 Baseados na urgência de transformação desta realidade, está evidente a importância de se encapar ações que fortaleçam as lutas sindicais, tendo, entre elas a autorregulação, a partir do reconhecimento das adversidades que prejudicam o papel estratégico do sindicalismo.  
Por fim, num registro dessa passagem histórica, com mudanças determinantes das lutas atuais e futuras do sindicalismo, com impactos em todas as dimensões na vida do povo brasileiro, especialmente à classe trabalhadora, torna-se premente que, ao término desse Congresso, os encaminhamentos e ações propostas, objetos das deliberações a seguir apresentadas, estimulem a todos(as) que nos tornemos, de fato, líderes efetivos de transformações onde quer que estas se façam necessárias.

Assim, na deliberação consciente dos(as) delegados(as) no 4º. Congresso, a Nova Central, enquanto central que defende a classe trabalhadora, deverá imprimir na sua prática cotidiana a luta permanente para romper o ciclo perverso e regressivo que ora domina o País. Ações que, ao repor a necessária unidade entre as entidades sindicais, possam enfrentar e barrar as reformas em curso, reafirmando os princípios primeiros da Nova Central por nenhum direito a menos.
 
Luziânia-GO, 28 de junho de 2017.

Plenária do 4º Congresso Nacional da Nova Central Sindical dos Trabalhadores
 
 
 

A Construção de uma NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES – NCST foi forjada na unidade, coragem e ousadia, capaz de propor uma alternativa de luta para os trabalhadores e trabalhadoras do Brasil. A NOVA CENTRAL SINDICAL DE TRABALHADORES marca um momento importante na história do Movimento Sindical Brasileiro, ela é a esperança transformada em realidade que se constitui como instrumento de luta e de unidade da classe trabalhadora do nosso País.

NEWSLETTER
RECEBA NOTÍCIAS POR EMAIL

Receba diariamente todas as notícias publicadas em nosso portal. Após cadastro, confirme sua inscrição clicando no link que chegará em sua caixa de entrada. Confira essa novidade!

SAF-Sul Quadra 02 Bloco D Térreo - Sala 102 - Ed. Via Esplanada - CEP: 70070-600 - Brasília-DF | Telefone: (61) 3226-4000 / Fax: (61) 3226-4004

Back to Top